A sala do luto

Embora desejemos evitá-la, a sala do luto ou a sala da dor é um lugar que todos devemos passar depois de uma perda, em qualquer área da vida, para superá-la da melhor maneira possível.

A sala do luto é uma sala em que, depois de uma perda, temos que entrar de qualquer jeito. No entanto, existem algumas opções que podemos usar para evitar isso.

A porta desta sala se abre quando terminamos um relacionamento, quando deixamos o nosso trabalho, ou quando um ente querido parte para sempre.

Existem certas fases que são repetidas independentemente do motivo da perda. Hoje vamos aprofundá-los.

Fugir da sala do luto

Embora, depois de uma perda, a sala do luto abra suas portas para que possamos entrar, a verdade é que podemos evitar isso. No entanto, essas portas permanecerão abertas para nos receberem a qualquer momento.

Quando rompemos um relacionamento e não queremos entrar nesta sala, por exemplo, o que fazemos é encontrar imediatamente um novo parceiro.

Desta forma evitamos nos apresentar até o primeiro dos estágios, para os quais a sala do luto nos forçará a passar.

Isso não é saudável, porque vamos começar um novo relacionamento sem estar realmente preparados e, nós mesmos, não nos daremos a oportunidade de fechar o último capítulo, como deveria ter sido feito.

Sabendo disso… que particularidades os diferentes estágios da sala do luto têm?

1. O estágio da negação

Nesta primeira etapa, encontraremos a negação na situação de perda. Negamos que um ente querido tenha nos deixado, negamos que o relacionamento com o nosso parceiro tenha sido quebrado para sempre, ou negamos que não somos mais necessários naquele emprego.

A negação é uma forma de fechar os olhos para uma realidade que nos precede. A razão pela qual fazemos isso é porque o que aconteceu dói.

Às vezes, muitas pessoas inventam uma história. Por exemplo, que a pessoa que morreu está viajando, ou que o casal com quem ela rompeu precisava de seu espaço.

No entanto, esse estágio de negação tem seu próprio final.

2. O estágio da raiva

Quando paramos de negar o que aconteceu e percebemos o que se passou, as coisas mudam. Irritamo-nos com a pessoa que nos deixou.

Não importa se ele faleceu, ou se ele é nosso parceiro com o qual rompemos. Através da nossa mente passará um pensamento do estilo “por que eu?”, “Você é culpado “, “eu não mereço terminar assim”, “não vou te perdoar por me deixar” …

É um estágio de raiva, onde culpamos a outra pessoa pela nossa dor, onde a culpamos pelo o que estamos sentindo.

3. A fase da negociação

Após a raiva, parece que uma possível esperança de reverter o processo de perda se abre diante de nós. Nós sonhamos e, assim, procuramos alternativas para recuperar o que perdemos.

No caso de alguém morrer, tentaremos entrar em contato com essa pessoa, indo para profissionais, médiuns, ou outras pessoas que afirmam falar com os mortos.

Se foi um rompimento, talvez tentemos nos recuperar e nos apaixonarmos novamente pela pessoa que perdemos e, no caso de perdermos o emprego, tentaremos que nos admitam novamente para o antigo cargo.

No caso de obtê-lo, o duelo será interrompido. Se uma perda ocorrer novamente com essa pessoa ou emprego, a entrada para a sala do luto será muito mais dolorosa.

4. O estágio da tristeza

Se o estágio da negociação for superado e se perceber que, não importa o quanto você negocie, não há volta, então a tristeza estará presente.

A tristeza é apenas o sinal de que estamos aceitando o que aconteceu. Sabemos que não vamos reverter o quadro, que tudo acabou e nossas lágrimas nos ajudarão a nos livrar da dor, para continuar com nossas vidas.

Você deve ter muito cuidado para não ficar preso nesta fase. Por um longo período de tempo pode levar a graves episódios de depressão.

5. O estágio da aceitação

Este é o estágio culminante, aquele em que aceitamos a perda sofrida. Não temos mais esperança de recuperar o que foi perdido, e aceitamos o que aconteceu, aprendemos com isso e seguimos em frente.

É um estágio muito enriquecedor que nos permite lembrar o lado bom, e aprender da experiência.

Talvez, no início, esta etapa não gere alívio, mas sim desânimo, arrependimento, apatia, fadiga e apatia. No entanto, com o tempo, a pessoa volta a experimentar novamente a alegria e o desejo de viver.

A sala do luto é uma sala necessária pela qual todos nós vamos passar algum tempo. Cruzá-la com sucesso assegurará que qualquer amargor seja removido, que deixemos o passado, e continuemos com as nossas vidas.

Você já se sentiu preso em uma das etapas da sala do luto? Qual foi o pior que você suportou?

Fonte indicada: Melhor com Saúde

Imagem de capa: Olga Selyutina, Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here