O que se leva da vida não é o carro que se tem, a casa na praia ou o passaporte cheio de histórias para contar. O que se leva da vida, meu amigo, é o amor que se deu, que se recebeu, que lhe arrancou sorrisos e uma porção de borboletas no estômago.

O que se leva da vida são as mãos entrelaçadas, os pés colados na hora daquele filminho água com açúcar. O que se leva da vida são as formas infinitas de se dizer “eu te amo” e de praticar todas elas com verdade e sabedoria.

O que se leva da vida não são as dores vividas, nem as derrotas guardadas a sete chaves dentro do armário. O que se leva da vida não são as quedas, as tantas quedas ao longo do caminho, mas o que conseguimos aprender com elas.

Não são os erros, as atitudes egoístas, as duras verdades escondidas. Nada disso, meu amigo. O que se leva da vida são os abraços não desperdiçados, não sonegados, nem negados pela falta de tempo.

Aliás, o que se leva da vida não é o tempo que passou voando, mas o quanto aproveitamos essa louca aventura que o próprio tempo nos proporciona. O que se leva da vida não são os livros que lemos, mas o quanto cada história fez diferença naquilo que achamos que somos.

O que se leva da vida não é a matemática aprendida na escola que, aliás, só faz subtrair abraços em prol do tempo que segue na sua velocidade célere. Enquanto isso, vejam só, nós seguimos tentando entender o amor e fazemos isso mais lentos que o sol, que leva 200 milhões de anos para completar uma órbita em torno do centro da galáxia.

O problema é que nós não duramos tudo isso e sempre corremos o risco de irmos embora sem termos aprendido que o amor não é pra ser entendido. O amor é para ser vivido. Aí, vamos perdendo aquele cara bacana só porque não suportamos que ele seja diferente de nós.

E aí, vamos deixando pra trás aquela moça bonita, aquela que nos ensinava o poder da gratidão, só porque não sobra muito tempo para agradecer. E vamos seguindo em frente sozinhos, afinal de contas, nascemos sozinhos, não é assim que se diz?

Bom, hoje eu queria dizer pra vocês que não, que não nascemos sozinhos. Nascemos cheios de oportunidades de encontrarmos pessoas pelo caminho. Gente como a gente que também busca uma mão para que a caminhada seja leve.

E aí buscamos um amor verdadeiro, que nos abrace, que nos acalme, que aceite seguir em frente conosco – apesar das nossas mazelas. Alguém que aceite andar de mãos dadas para que a maré não nos derrube. Porém, na bem da verdade, nós não buscamos um amor verdadeiro, porque quando o encontramos não sabemos como segurá-lo.

E sabe o que isso significa? Que até agora não entendemos que amor não se segura. Amor se acolhe, se afaga, se coloca no colo antes que a tempestade o leve pra longe, para outro porto, para outro ninho, para outros braços.

É carnaval e o povo todo vai pra rua gritar as marchas de alegria. E quando voltam da praia, da serra e da rua, mal sabem onde deixaram o coração. Hoje eu queria pedir que você abrace o seu amor, mas abrace forte para que ele (ou ela) compreenda que é no seu peito que encontrará a paz.

E você que ainda não o achou, acredite em mim, ele está mais perto do que você imagina. Às vezes, quase sempre, é só uma questão de não dar bola para o que o tempo diz e escutar apenas a voz do coração.

Repito, escutar apenas a voz do coração. Afinal de contas, o que se leva daqui é justamente o que você fez com ele na sua oportunidade de estar vivo.

Imagem de capa: Cultura Motion, Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




Ju Farias
Não nasci poeta, nasci amor e, por ser assim, virei poeta. Gosto quando alguém se apropria do meu texto como se fosse seu. É como se um pedaço que é meu por direito coubesse perfeitamente no outro. Divido e compartilho sem economia. Eu só quero saber o que realmente importa: toquei alguém? É isso que eu vim fazer no mundo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here