O novo sempre dá um friozinho na barriga. A gente não sabe o que esperar e, isso, às vezes, é desesperador. Hoje temos escolhas a se fazer para as mais distintas e variadas dúvidas para se pensar. Tem dúvidas para todas as idades, raças, gêneros, classes. Dúvidas para todos os gostos. Desde aquela compra rápida no supermercado até o que fazer da vida que, muitas vezes, mal começamos e estamos desesperadamente em busca de uma resposta pronta. Na vida real, que acontece aqui e agora, não tem um botão pause para apertarmos e pensarmos no que decidir. É preciso decidir enquanto se vive. Decidir nada fazer. Decidir fazer. A vida é feita de decisões quer queira ou não. A gente é a soma das nossas decisões.

Antigamente as coisas eram mais práticas. Não havia tantas opções, então era fácil decidir. Era café da manhã, almoço e janta. Três refeições; não tinha muito que inventar, agora é pelo menos seis — e ainda! — equilibradas em macros e micronutrientes. No supermercado têm opções light, diet e tradicional. Com ômega três, seis, nove…, versões zero gordura, zero açúcar, com açúcar mascavo. É preciso ler os rótulos para não errar. Erramos sempre. Lide com isso. E, nem por isso, a gente morre de fome. No máximo engordamos umas gordurinhas ou, perdemos outras na balança.

Entrar em uma grande empresa e se aposentar nela era a regra. Nossos pais fizeram isso e, recomendam o mesmo para a gente. Era preciso apenas ter o ensino médio e dar mole passando pela calçada de uma multinacional ou nacional mesmo: pegavam pelo braço, assinavam a profissional e é CLT até aposentadoria. Hoje, raro a galera passar mais de três anos na mesma empresa, quiçá se subir brevemente de posição. De júnior a gerente em um ano, não em quinze. Troca-se de emprego na primeira oportunidade, são tantas — mesmo em uma época de crise — as possibilidades, não é mesmo? Quando não dá certo e erramos nessas trocas rotineiras?, desemprego. Recolocação; por mais tempo que demore, cedo ou tarde, recolocação.

Até a “tradicional” família perdeu a configuração padrão. Homem, mulher e filhos é apenas uma configuração de famílias lindas por aí. A regra é ser feliz. O certo é ser feliz. O erro é não amar, por amar. A necessidade do casamento caiu. Quem quiser casar, case. Quem não quiser, junte-se enquanto for bom. O erro é acreditar na burocratização do relacionamento e, esquecer, o relacionar-se. O erro é prender-se no relacionamento. O certo é viver o relacionar-se. Então esqueça o medo de viver o seu amor do seu jeito. Com alguém ou sozinho o importante é se jogar sem medo de errar.

Para ser feliz antigamente era só seguir o padrão da época. Para ser feliz hoje, é mais suado: aumentou a diversificação. Com a alta das escolhas, o medo dos erros. A necessidade da perfeição. Não é o erro propriamente dito, mas o julgamento alheio. Parece que há uma cobrança para a perfeição. Errar?, nunca. É proibido — não. É balela, na verdade. A mídia joga em nossas caras vinte e quatro horas por dia o quão bom e necessário precisamos ser. Nascer, antes de chegar à adolescência adquirir fluência em inglês, antes de concluir o ensino médio, saber a graduação e faculdade que irá cursar, antes de concluir a graduação sem dependências, carteira assinada e carro zero km comprado, quitado. Não é bem assim.

Não somos apenas a perfeição dos nossos acertos. Pelo contrário. Somos as experiências dos nossos erros. Das renúncias que corajosamente decidimos tomar. Crescer é o privilégio das escolhas que tomamos sozinhos, assumindo as péssimas escolhas que, só após muita maturidade enxergarmos. Maturidade não é para qualquer um. Maturidade é para quem sabe conviver com a trajetória que decidiu seguir, olhando para trás apenas para saber que, valeu a pena o esforço.

Imagem de capa: Vadven, Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Luverlandio Silva
Nasceu no Piauí e cresceu em São Paulo, mora atualmente em Santo André – SP. Apaixonado pela área de exatas, mas tem o coração nas artes e escrita; trabalha e defende o meio ambiente e, as causas naturais: sentimentos; afetos; amor.

1 COMENTÁRIO

  1. Obrigada por esse texto, Luverlandio. É bom ler algo que sinto, mas não conseguia elaborar. Você não imagina o quanto me ajudou e o quanto ajudou a clarear um pouco da minha mente. As palavras também podem ser afagos na alma. Nas suas palavras desse texto pude perceber essa máxima.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here