Quando o desamor apertar, tenha calma. Seja um alguém além dos lamentos e despedidas. Ainda que tenhamos uma responsabilidade afetiva sobre quem está por perto, o mais importante é sabermos que, sem autoconhecimento, o amor não dura.

Você não pode viver mendigando companhia. Antes de qualquer um acenar o desejo de fazer parte dos seus inteiros, é preciso entender das próprias metades. Dê aquela respirada funda. Pense e construa estados de honestidades, onde cada gesto será igualmente distribuído e recíproco. Porque a indiferença foi feita para os preguiçosos de corações. Seres amargurados, inconstantes e indispostos no quesito querer. Eles não sabem, mas termos podem ser reescritos.

Você não deve nada a ninguém. Amores que sobrevivem não funcionam através de aparelhos, mas de um simples motivo, a entrega. Ela que não fere, desacredita e escapa no primeiro sinal de solidão. Entregar-se é saber diferenciar silêncios. Dos instantes em que você alcança e permite o encontro para novos vínculos.

Por fim, você é os seus próprios termos. Você é o reflexo constante das emoções que transborda, cultivando e somando possibilidades. Ame-se no desamor para reconhecer o verdadeiro despertar.

Imagem de capa: Look Studio, Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




Guilherme Moreira Jr
"Cidadão do mundo com raízes no Rio de Janeiro"

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here