Às vezes, não adianta praticar o esquecimento. Querendo ou não, somos causa e consequência dos nossos erros. As coisas que podemos mudar, mudamos. Mas certas atitudes não podem ser apagadas, e ficar tentando encontrar porquês é atestado de sofrimento.

Os sintomas variam da culpa até o constante movimento do lamento. Ficamos mergulhados em dias e noites, buscando explicações que não fazem o tempo voltar. Precisamos aceitar que nem sempre teremos respostas. Faz parte da vida encarar situações fora do nosso controle. Experimentar essa ausência de poder, ajuda no amadurecimento emocional. E como estamos afastados dele.

Quando nos deparamos com conflitos internos e arrependimentos, nutrimos o péssimo hábito de questionar tudo e todos. O que deveria ser uma reflexão sadia, como principal ação para seguirmos em frente, acaba se tornando um redemoinho de caos e tristezas. Erros acontecem. Ninguém está imune. Podemos mudar de ideia, podemos pedir desculpas e podemos prometer para nós um novo começo. E que o façamos. Mas, em nenhuma hipótese, podemos ou temos permissão para alterar o passado.

Em vez de concentrarmos esforços por uma reinvenção da história, talvez fosse mais justo abraçarmos o já passado e, a partir de novos ares e motivos, escrever novos capítulos das nossas histórias.

Ninguém é obrigado a ficar refém de uma angústia, de um pesar que mais atrapalha do que ajuda. Isso é nocivo e egoísta. Sair desse ciclo de absurdos exige força de vontade mas, principalmente, escolha. Mudança de comportamento, evolução de sentimento.

A gente precisa continuar vivendo. Mesmo que doa, a gente deve ter responsabilidade com o nosso querer. Do contrário, afundaremos, de novo e de novo, nos erros e despedidas mais injustos ao coração.

Imagem de capa: Marjan Apostolovic, Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




Guilherme Moreira Jr
"Cidadão do mundo com raízes no Rio de Janeiro"

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here