Imagem de capa: CHOATphotographer, Shutterstock

Talvez o seu não tenha, mas o meu tem.
Ele me lembra a narrativa que ouvi, há muitos anos, de um seminarista que vivia as agruras da pobreza, quando estudante num seminário.

Um dia, acabou o sabonete. Nada de dinheiro para comprar, nada de amigos ou família para o presentear, e todo dia, na hora do banho, ele se lamentava com a água correndo pelo corpo, lavando o suor, e algumas vezes, as lágrimas.

O cheiro do sabonete dos colegas do quarto compartilhado, lhe era extremamente penoso de sentir. Todos cheiravam a lavanda e alfazema, e ele cheirava a nada.

Até que, um dia, cansado dessa situação, o seminarista enviou uma mensagem ao Deus do céu, nestes termos:
– “Deus eu não tenho sabonete, e não tenho mais esperança de que alguém, nesta terra, perceba que preciso de um sabonete.

Portanto, se o Senhor me vê, se importa, e me quer seminarista, mande-me um sabonete para que eu saiba que este é o meu lugar.
Caso contrário, sairei daqui e procurarei um trabalho onde eu mesmo possa ganhar e providenciar a compra do meu sabonete.”

Naquela tarde, o seminarista recebeu a visita de um amigo – tão pobre quanto ele – que estava em trânsito pela cidade, e lhe trouxe, de presente, um sabonete.

-Olha, é uma coisa doida, mas Deus me mandou vir para lhe dar um abraço, e lhe trazer um sabonete.
O sabonete saiu do bolso do amigo com asas -anjo alado na terra- e pousou diretamente no bolso do seminarista que caiu de joelhos.

E dessa forma, tanto ele quanto o amigo tiveram o espírito renovado pela certeza de que Deus ouve e opera, em resposta ao clamor do seu povo.

Mas e o sabonete? O que dizer do sabonete?
Pode um sabonete tornar-se um objeto quase ungido, fruto de um milagre de fé?
Pode, claro que pode.

Eu tenho certeza que aquele sabonete não chegou a ser consumido até o osso. Um restinho sobrou como memorial para celebração.
Um sabonete no altar?
Deus contido num sabonete?
Os átomos do sabonete vivificados por uma experiência de fé?
Não se trata disso!
O sabonete continuou sendo apenas um sabonete.

Mas tudo aquilo que é bafejado pela fé, fica irremediavelmente vinculado ao sobrenatural de Deus, para aquele que por ele clamou.
Eu não vivi essa história, apenas a ouvi. E mesmo assim, todas as vezes que desembrulho um sabonete,eu me lembro, e às vezes, dependendo do nível de espiritualidade daquele dia, eu me pergunto:

Onde haverá alguém orando por um sabonete?
Onde haverá a necessidade de um sabonete para uma epifania cósmica?
Onde haverá a necessidade de um cobertor?
Onde haverá a necessidade de um abraço?

Onde Deus tornou-se dependente de pequenas e de ínfimas coisas, e de mínimas, pobres, e sensíveis pessoas, para revelar-se na terra?
Nada neste mundo tem muito significado a não ser que você lhe empreste algum significado.

É preciso zerar o olhar, e inaugura-lo a cada manhã, para substantificar a porção divina que, talvez, possa existir num sabonete, num cobertor, num livro, num abraço, dependendo da necessidade do outro, e da sua sensibilidade para capta-la.

Nesse sentido – e só nesse – para os sensitivos tudo é divino, tudo é milagre, tudo é celebração, tudo é majestosamente grande, e digno de reverente contemplação.
Até um sabonete.
O contrário também é verdadeiro.

Para os distraídos nada é divino, nada é epifania, nada é celebração, tudo é infinitamente pequeno, normal, corriqueiro e destituído de realidade.
Até um grande milagre.
Em algum momento da vida, os que crêem perceberão em que lugar estão: no lugar da fé que só precisa de um sabonete,
ou no lugar da fé que precisa de um grande milagre.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




Ana Maria Ribas Bernardelli
Estudante de humanas-idades, cidadã do céu e da terra, escritora por compulsão, leitora de letras, de pontos, de reticências, e de linhas, interventora de paisagens, solitária por opção, gregária por necessidade, gosto de músicas, filmes em que só as pessoas acontecem, documentários, biografias, e todas as obras de Clarice Lispector e de Watchman Nee. Vivo a espiritualidade, sem religião. Não tenho afinidades com rituais e com scripts que se repetem. Amo a liberdade, os animais, as plantas, os velhos, as crianças, e todos os seres que se sentem estranhos no ninho. Fujo de superficialidaes, e não tolero nenhum tipo de injustiça, crueldade, ou tirania. Adoro a Deus e a ele quero servir. Escrevo para organizar a vida, para aguentar o tranco, e em cada texto meu, você me encontrará. Espero que eu também lhe encontre no meu email, no meu site, e nos meus endereços nas redes sociais. Feliz por estar com vocês!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here