Imagem de capa: dachazworks, Shutterstock

Foi dia desses. Alguém me vociferou babando, os dentes arreganhados, a pelagem eriçada, o sangue explodindo nos olhos: “quem não quiser se prender a alguém, que fique solteiro”. Era uma dessas pessoas muito certas de que já viram de tudo e que o resto do mundo deve aceitar as suas regras e ponto final. Incapaz de ouvir, recusou-se a poderar o quanto as expressões “prender” e “amar” são antagônicas e inconciliáveis.

Nosso diálogo foi impossível. Virou conversa de surdos que desconhecem as línguas de sinais e nasceram em países diferentes. Fazer o quê? Eu disse que ninguém devia se acorrentar ao ser amado e jogar a chave fora para preservar a relação amorosa. A pessoa concluiu que eu pertenço à categoria dos desprovidos de vergonha na cara, um defensor descarado do “amor livre”.

Pobre alma. Ignora que amor livre é mera redundância, que todo amor é sinônimo de liberdade e que os que tentam prender o outro em sua companhia padecem de um caso de dependência e perversão que nada tem a ver com o sentimento amoroso.

Deixei pra lá. Fosse meu interlocutor uma alma mais fácil, considerava que quem precisa prender alguém a seu lado tem um prisioneiro. Não um amor. Quem ama fica com alguém porque quer, jamais porque foi obrigado a tal.

Meu antagonista que fique com suas certezas. E que Deus proteja os desavisados que ele tentar encarcerar pela vida.

Eu sigo daqui, às voltas com a minha impressão de que amando a gente aprende a cuidar bem do outro como bem cuidamos de nós mesmos. Não a prendê-lo em lugar seguro, ao alcance de nossas vistas e nossas garras. Longe do mundo que a todos cabe e onde todos somos livres para tudo. Até para escolher com quem queremos caminhar por aí.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




André J. Gomes
Jornalista de formação, publicitário de ofício, professor por desafio e escritor por amor à causa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here