Imagem de capa: S_L, Shutterstock

Imaginemos uma pessoa hipotética. Essa pessoa, no caso, seria alguém especial, superior a mim e a você. Superior a todo o resto da humanidade. Ao contrário de nós, reles mortais, a tal pessoa não possui telhados de vidro. O SEU telhado é blindado; seguro, forte, inviolável. E na segurança de sua suposta superioridade, este ser elevado acredita – sem nenhuma dúvida -, que pode nos julgar a todos.

Não se trata de alguém sem pecados, posto que isso não existe. Trata-se de alguém cuja crença não admite erros em si mesma. Ou, na melhor das hipóteses, tem absoluta certeza de que seus erros são pequenos deslizes; ao passo que os erros alheios são indubitavelmente imperdoáveis.

Pecado é uma palavra originada do latim; seu significado mais antigo tinha relação com “tropeçar”. De acordo com a língua hebraica, pecar é algo como “mudar de direção”. Para os gregos antigos, pecar refletia a ideia de “errar o alvo”. Mas foram os romanos convertidos ao cristianismo que agregaram ao pecado o sentido mais carregado de culpa; foi a partir de então que pecado passou a ser algo de cunho religioso, “a violação das leis de Deus”. Foi neste ponto que o pecado passou a ser usado pelos seres humanos para infringir ao outro o sentimento de dolo por seus atos.

Ocorre que nem tudo se enquadra na categoria “pecado”. O que não deixa de ser extremamente curioso. Em verdade, OS SETE PECADOS CAPITAIS – que já foram utilizados como tema de um excelente e perturbador filme estrelado por Brad Pitt e Morgan Freeman -, são tão difíceis de se lembrar quanto o nome dos sete anões ou as sete cores do arco-íris.

Sendo assim, vai aqui uma forcinha. Figuram na lista dos sete pecados capitais: a ira, a gula, a luxúria, a preguiça, a avareza, a soberba e a inveja. Olhando assim, um de cada vez, parecem tão inofensivos, não é mesmo? Ou será que não?

O fato é que os tais SETE PECADOS CAPITAIS, são uma criação da Igreja Católica – mais precisamente do Papa Gregório I, com o intuito de determinar a origem de todos os outros vícios a que estamos sujeitos.

E o outro fato é que a tal lista não faz nenhum sentido, posto que não há um único de nós que tenha a mínima chance de passar por essa vida sem cometê-los todos, inúmeras vezes. Eu, de fato, me arriscaria a dizer que a mãe de todas as nossas mazelas é a hipocrisia; e o pai… bem, o pai pode ser qualquer um, porque com uma mãe dessas não há a menor chance de se dar à luz qualquer coisa que preste.

Façamos, pois, um favor às nossas gerações futuras: deixemos de ser hipócritas! Comecemos por admitir que errar é inerente à nossa constituição embrionária e que a nossa luta para sermos bons é diária e intransferível. Quem sabe, então, não precisemos mais de tantas listas, placas, multas ou ameaças para nos manter na linha… na linha imaginária que nasce em cada um de nós, e que constitui a fibra que há de nos ligar uns aos outros, juntos, na intenção de sermos um pouco mais decentes do que temos sido até hoje.

COMPARTILHAR

LIVRO NOVO




Ana Macarini
"Ana Macarini é Psicopedagoga e Mestre em Disfunções de Leitura e Escrita. Acredita que todas as palavras têm vida e, exatamente por isso, possuem a capacidade mágica de serem ressignificadas a partir dos olhos de quem as lê!"

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here