Imagem de capa: g-stockstudio, Shutterstock

Você pode até achar que não, mas a vida não é muito diferente de um roteiro feito em Hollywood. Mas ao contrário das narrativas de grandes produções, a sua história talvez esteja mais para uma produção independente e de baixo orçamento. Ainda assim, não é motivo de desespero para interromper o que já foi escrito até aqui. Existe sempre a possibilidade de reescrevermos o nosso filme e a nossa felicidade. Para isso, escolhas.

Dizem que um bom script precisa mostrar a que veio nos quinze primeiros minutos. Claro que na bagagem real, não funciona assim. Coloquemos aí, um tempo em relação aos quinze primeiros anos da sua vida. A infância é inocente, cheia de belezas e cores que podem destrinchar sob inúmeros caminhos. É tudo um sonho abstrato. Já na puberdade, as primeiras tramas. Romances, intrigas, responsabilidades e mais uma penca de subtramas que levam o espectador a roer unhas. Para muitos, uma fase difícil. Um intervalo que intercala sobriedade com momentos de loucura. Eu sei, é quase um cinema anos 80. Você tem razão de pensar nisso.

O instante divisor é quando chegamos no recheio, no conteúdo da história. A partir daí, a idade deixa de ser uma experiência tão confusa e toma o lugar para novas direções, novos voos. Assim como na película, você conhece os questionamentos reais que devem conduzir o restante da sua vida. Trabalho, amor, religião, família e trivialidades. Tudo é possível no tempo concedido. Para onde você vai? Com quem você vai ficar? O que você pretende fazer para ser independente? Qual o sorvete que você mais gosta?

Das perguntas mais complexas até as mais bobas, um mar infinito de respostas e tantos outros pontos de interrogação. Mas a vida é isso, um roteiro de início, meio e fim. Todavia, só passamos pelo início e, no presente, estamos no meio. O final não foi fechado ou imposto. Nenhum executivo engravatado decidiu qual será o desfecho do seu filme. Apenas você, em qualquer dia e qualquer hora, sabe e pode almejar o próprio futuro. Novamente, escolhas.

O “the end” depende das virtudes que você carrega no coração. Depende das cores que você enxerga nas adversidades que a vida coloca e que taxamos de vilanesca. Depende dos sentimentos que você deposita, a cada instante, nos gestos e nas outras personagens que lhe cercam. Depende, principalmente, da sua disposição para abraçar o novo. Depende de você reconhecer que, não importam os cenários, trilhas e tempos situados, o filme da sua vida é nada mais nada menos que escrito e dirigido por você. Sempre.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




Guilherme Moreira Jr
"Cidadão do mundo com raízes no Rio de Janeiro"

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here