Não há cura para corações partidos: um novo amor, o tempo, um livro, são paliativos e nada mais. Os laços de afetividade, quando se formam, ficam impregnados na memória, mancham a pele, a alma, como se fossem nódoa, ou tatuagem. Tornamo-nos eternamente responsáveis por aquilo que cativamos, já dizia Antoine de Saint-Exupéry, e isso deve ser levado a sério.

Dizer “eu te amo” tem um preço, gera vínculos e expectativas mútuas. É como se os sujeitos firmassem um contrato e, a partir de tal ato, suas vidas mudam de rumo. O “eu” perde lugar para o “nós” e a mágica acontece – afinal de contas, o que é o amor, senão essa troca, esse contato entre os sujeitos?

Dito dessa forma parece exageradamente romântico, surreal. Só vai concordar comigo aqueles que já tiveram o coração partido. Por mais que o tempo passe, que as memórias desapareçam, sempre fica algo, um instinto, um receio. E, quando alguém nos surpreende com uma declaração de amor, a gente pensa duas, três vezes antes de entregar o jogo.

E fica aquela vontade de dizer: não faça isso em vão. Melhor ficar calado do que despertar no outro sentimento tão singular. E não, os relacionamentos não precisam ser eternos, não precisam resistir a toda e qualquer provação. O que se procura aqui é manter a seriedade do instituto do amor, conservar a sua pureza, as suas características básicas.

Afinal de contas, o amor só precisa ser infinito enquanto dure, como é dito no Soneto da Fidelidade, do grande poeta Vinicius de Moraes. Por isso, aconselho, não diga “eu te amo” em vão.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




Valter Junior
Amante de café, boas ideias e mulheres de atitude. Adora conhecer pessoas, filmes e músicas novas. Fundador do Puta Letra. Pai de um livro, esperando o segundo bebê.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here