Temos essa ideia antiga de que para dizer “eu te amo” é necessária uma explicação cheia de sentimentalismos e gestos fartos, como se amar fosse obrigatório de provas. Essa ebulição emocional, algumas vezes, brota nos pequenos instantes. E não há absolutamente nada de errado nisso.

Benditos sejam os indivíduos que transbordam esses dizeres. Não se acomodam ou possuem medo de expressar os versos que surgem na garganta. É claro que a cautela existe. Ninguém precisa sair por aí declamando sem direção os pormenores da paixão pelo outro, mas é inegável o poder da paz de, consigo, nutrir a liberdade da escolha em dizê-lo. Um “eu te amo” não é para ser medido numa régua com início, meio e fim. Reconhecer o amor numa espécie de contrato a ser seguido por ambas as partes só faz bem aos corações cansados.

O tempo é mero detalhe quando se quer falar do nó de dois. Esperar o quê? Amanhã pode ser tarde. Depois de amanhã pode ser nunca. Entre todas as coisas cabíveis a serem ditas e escritas, o “eu te amo” não está banalizado. Pois não existe um porquê para o sentimento de carinho, cumplicidade e querer bem.

Não vamos dar adeus para essas três palavras. Elas merecem mais. Nós merecemos mais. Sem emboras, todavias e portantos. Eu te amo assim mesmo, com a cara estampada de sorrisos.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




Guilherme Moreira Jr
"Cidadão do mundo com raízes no Rio de Janeiro"

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here