O luto é uma resposta normal de nosso cérebro diante de uma perda, seja lá qual for. Cada pessoa pode percebê-lo de uma maneira diferente. Devemos dar tempo a nós mesmos para superá-lo, e não tentar acelerá-lo nunca.

O luto é o processo delicado e complexo através do qual temos que dizer adeus a uma pessoa que era importante para nós.

Este caminho pessoal requer, sem dúvida, diversos processos pessoais que iremos desenvolvendo e canalizando dia após dia.

No entanto, a forma como cada um chegará a esta aceitação tem sempre um fim semelhante: instalar o ser querido como o tesouro mais apreciado de nosso coração.

Uma vez que a lembrança deste ser fique arraigada a nossa memória de forma mais tranquila, poderemos nos permitir ser felizes de novo. Lembre-se de que o luto não é esquecer, e sim curar a dor para aprender a viver com a ausência.

Hoje, em nosso espaço, queremos compartilhar algumas estratégias adequadas para que você possa conseguir fazer isso.

Meu luto, seu luto

Há um aspecto que os psiquiatras e psicólogos nos deixam bem claro: cada pessoa enfrenta o luto de uma maneira, e todas elas são igualmente respeitáveis.

Por este motivo, em alguns casos se fala daqueles falsos mitos sobre o que alguns entendem como “o luto mais saudável, o universal e que serve para todos nós”. Vejamos algumas falsas ideias que devemos começar a derrubar:

Falsos mitos sobre o luto

– A pessoa que não exterioriza o sofrimento está condenada a viver um “luto difícil”. Isso não é verdade. O luto tem muito a ver com a personalidade de cada um.

– Assim, alguém que não seja muito expressivo, que não está habituado a desabafar suas emoções, a se comunicar com os outros para falar de seus sentimentos e emoções, lidará com o luto à sua maneira.

– O desejo de estar sozinho consigo mesmo para se reorganizar, para pensar, para curar esta ausência, é algo tão respeitável quanto aqueles que optam por obter a ajuda de um psicólogo. Cada pessoa cura suas feridas como quer e como pode.

– Outro falso mito é o que diz que o tempo cura tudo. Não é verdade. O tempo não cura se a pessoa não permitir a mudança, a aceitação, a integração desta perda.

– É preciso deixar claro um aspecto importante: este vazio sempre vai existir em nosso coração; o tempo não vai curar por si mesmo esta ausência. O que ele vai permitir é que “doa um pouco menos” para que possamos seguir vivendo.

– Outro mito é o seguinte: a dor se sente no momento, e quem não a sofre é uma pessoa fria. Esta é outra ideia que também devemos derrubar.

– Após uma perda, após perder alguém por um acidente ou doença, a dor não chega no mesmo instante. De fato, podem passar semanas até que a pessoa reaja.

– Isso não significa que ela não tenha sentimentos.

– O mais comum é que o impacto da morte nos provoque uma negação. Não podemos acreditar e, portanto, somos incapazes de reagir. Pouco a pouco chegará a consciência da perda, e junto com ela, a dor.

Técnicas para gerenciar o luto

Ressaltamos, uma vez mais, que o caminho do luto é algo íntimo e difícil.

Não há uma técnica específica que sirva para todos, basicamente porque cada um entende a dor de um modo e deve lidar com ela da maneira que lhe servir, que mais trouxer alívio.

No entanto, sempre podemos fazer uso destas estratégias:

O controle do pensamento

Quando perdemos alguém nossa mente não responde, apenas sente. Os pensamentos, emoções, medos e ansiedades se amontoam.

– É necessário manter um adequado controle de nossos pensamentos. Identificá-los para poder propiciar o desabafo emocional.

– O controle do pensamento exige, por sua vez, que você não se culpe nem procure outros culpados pelo que aconteceu. A pessoa se foi; não armazene mais dor do que o necessário.

– É preciso aceitar, assumir a perda e chorá-la.

A fantasia guiada

Esta técnica pode ser útil para muitas pessoas. Para facilitar a despedida as visualizações são muito úteis e catárticas.

– Temos que buscar um instante de intimidade e solidão. Iremos nos sentar de forma confortável e respirar profundamente.

– A seguir devemos esvaziar nossa mente e focar apenas uma coisa: nosso ser querido, a pessoa que acabamos de perder.

– Visualize-a, mas pense nela em paz, sorrindo e de forma tranquila. É o momento de falar com ela.

– Estabeleça um diálogo interno com ela para comunicar-lhe tudo que precisa dizer. Diga a ela o quanto a ama e, depois, deixe-a ir em paz, de forma relaxada.

Trabalhar as feridas dia após dia

Aceitamos que esta pessoa não está mais conosco. Nos despedimos mentalmente dela… e agora?

– Agora ficam as feridas da ausência e uma vida a reconstruir de outra forma ser o ser querido.

– Entenda que esta vai ser uma luta cotidiana que você terá que enfrentar a cada dia. É necessário entender que você não está sozinho, que há outras pessoas com você que irão ajudá-lo.

– Não tenha medo de ser feliz de novo. O ser querido dorme para sempre em seu coração, está com você sempre e é fundamental que você volte a sorrir por ele.

Faça da sua vida uma homenagem à sua memória. Faça com que seus dias sejam plenos, chore sempre que precisar e não tenha medo de rir de novo.

Certamente esta pessoa se alegra em ver seu rosto iluminado novamente pela alegria.

via Melhor com Saúde

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO



Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

2 COMENTÁRIOS

  1. O texto trás um certo conforto, mas a nossa estrutura psicológica tem que ser reconstruída a cada dia. Devemos sentir novamente aquele amor pela vida e tentar guardar aquele amor pelo ente querido. A dor nunca mas vai passar, só adormece hoje eu sinto isto no meu coração é difícil, seguir a vida sem pensar mas e uma etapa que tenho que passar.
    Obrigada.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui