“Se tens um coração de ferro, bom proveito.

 O meu, fizeram-no de carne, e sangra todo dia.”

 José Saramago

Você me lembra muito o homem de lata do Mágico de Oz, só com uma diferença: ele confessa a busca por um coração, enquanto você faz a sua silenciosa, em passos calmos e se gaba por ser feito de aço da cabeça aos pés. Sentimentos enferrujados, sorriso sempre à mostra, olhos quase nunca atentos; faz a mesma viagem dos personagens do ‘Mágico de Oz’ em busca do caminho de casa, mas nem desconfia que sua casa é você mesmo. Procura fora o que está dentro e esconde dentro o que poderia ser bonito aqui fora. Menino assustado, perdido, seu caminho é “in”. Talvez se deixasse a armadura de lado pudesse ouvir o coração batendo em algum lugar muito próximo, mas o medo ensurdece; é a coragem que abre os olhos, ouvidos, mente e peito. É a coragem de mostrar fraqueza que fortalece. Mas como pode o homem de lata saber dessas coisas que são emoção? “Homem de lata também sente”, alguns dirão. Concordo. Sente, mas dificilmente amassa. Sente, mas facilmente esquece; porque o chapéu de funil não filtra sentimento. Sente, mas não aperta o coração, não apavora o estômago, não atormenta a mente. Sente sem saber guardar.

Quem sabe um dia esse homem feito de lata encontre um mágico que lhe dê um coração; quem sabe um dia ele decida parar de enganar a si mesmo que consegue viver só com dois pulmões no centro do corpo. Quem sabe um dia ele volte um pouco o caminho e vem com o sorriso estampado e o peito, enfim, aberto. De nada adianta dois pulmões se você não tem um coração pra te fazer perder o fôlego. O homem de lata tem olhos invejáveis, abraço de algodão, é imã. Atrai aos outros naturalmente (e dói saber que isso tem acontecido) porque é como se algo lá dentro, no centro dissesse assim: ‘Eu não sei caminhar até aí, mas venha, sente-se comigo e serei uma ótima companhia.’ E ele é. Só falta um coração pra saber disso tudo. Acho que a Dorothy não se importaria em mudar um pouco a história e dividir o seu, enquanto o homem de lata não descobre o que carrega dentro.

Eu conheço um homem de lata

e ele não sabe a falta

que seu abraço revestido de aço

me faz.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Isabella Gonçalves
Formada em Direito, apaixonada por livros, pessoas e céu cinzento. Escrevo porque gosto e quando quero. Inconstante, dramática, sonhadora. Vejo 100 onde há um. Vejo um onde há 100 vazios. Confiável, confiante, e que siga a vida! Adiante...sempre.

4 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns pelo texto Isabella. Acredito que todas as contradições humanas são válidas.Todas elas tem a mesma direção, a busca do ponto de equilíbrio.”Sentimentos enferrujados…” , corroi e mesmo o homem de lata sem coração, sente isso!

  2. falei para uma homem que eu estava saindo que ele iria virar um pedaço de lata ,então mandei uma foto do homem de lata para ele, mas disse também que talvez ele fosse um pedaço de bloco de concreto

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here