Cuidado com o que você deseja

Tenho o costume de escrever cartas para Deus. Como tudo em minha vida termina em um bloquinho de papel e uma caneta, esta é a forma mais fácil de entrar em contato com o sagrado que há em mim.

Esse hábito vem de um tempo distante, em que era comum viver dando cabeçadas e acreditar que jamais “daria certo” ao lado de alguém. Eu sofria a perda de um grande amor, e não conseguia imaginar outra pessoa (realmente boa) para ocupar esse lugar no meu coração. Então resolvi jogar o problema para Deus. Escrevi uma carta longa, em que eu descrevia, tim tim por tim tim, como deveria ser esse alguém. Parecia exigência demais, mas eu queria ser bem específica no querer. Passado algum tempo (não me lembro quanto), conheci meu futuro marido. De imediato não me lembrei da carta, mas um dia encontrei-a no fundo de uma caixa, e qual não foi minha surpresa ao perceber que aquele homem correspondia fielmente à descrição que eu pedira a Deus?

Tudo isso tem ares de literatura tipo “O Segredo”, e não gosto de pensar assim. Porém, acredito que nossa realidade mental é muito mais ampla do que podemos imaginar, e pode sim direcionar nossa realidade externa em maior ou menor grau.

A gente tem que ter cuidado com o que deseja. Porque bem lá no fundo de cada um, uma luz se acende com nosso querer, e faz de tudo para não se apagar enquanto a gente não realizar o que anseia, mesmo que inconscientemente.

Você sabe realmente o que está desejando? Tem sido responsável com seus pensamentos e desejos? Sabe em que medida a vida concorda com seus mais secretos sonhos?

Muitas vezes o medo ceifa a concretização de nosso desejo. Então mesmo querendo muito alguma coisa, nosso medo boicota nosso destino, e assim nada se concretiza. Quantas vezes ouvi histórias de mulheres tentando engravidar, que só conseguiram depois que adotaram? Talvez o medo de tentar e não conseguir acabe sabotando a concretização dos planos. Mas a partir do momento que adota (e portanto não fracassa), relaxa com o medo e consegue.

Do mesmo modo, boicotamos nossos planos de encontrar alguém para partilhar a vida, mudar de emprego, abrir um negócio próprio, ter um segundo filho, se dedicar pra valer a um sonho, viajar pra um lugar distante, aprender a dançar, largar o namorado, assumir uma nova identidade, ir para a terapia, praticar algum esporte. Tudo são desejos, mas no fundo queremos realmente que se concretizem? Será que desejamos o bastante?

Que nosso desejo não seja diminuído por nossos medos, e que nossa capacidade de sonhar não se perca nos vapores do tempo.

Que a gente siga acreditando que pode melhorar nossa realidade a partir de nossos próprios pensamentos, e que nunca nos falte a capacidade de sorrir, aceitar os colos e abraços, e recomeçar de um jeito novo, sem a companhia da desesperança.

Que a gente não desista de tentar, arriscar, desejar. E que permaneça acreditando na ternura e alegria, mesmo quando tudo é só ventania.

E que não nos falte coragem, pois desejar o que se quer e saber o que devemos atrair não é tão simples como deveria ser.

Que haja sabedoria e humildade. Alegria e coragem. E que não nos falte ânimo para superar os desejos frustrados e as mudanças de rota, partes do processo lindo que é simplesmente viver…

Para adquirir o livro “A Soma de Todos os Afetos”, de Fabíola Simões, clique aqui: “Livro A Soma de todos os Afetos”

 

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Fabíola Simões
Nasceu no sul de Minas, onde cresceu e aprendeu a se conhecer através da escrita. Formada em Odontologia, atualmente vive em Campinas com o marido e o filho. Dentista, mãe e também blogueira, divide seu tempo entre trabalhar num Centro de Saúde, andar de skate com Bernardo, tomar vinho com Luiz, bater papo com sua mãe e, entre um café e outro, escrever no blog. Em 2015 publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos os Afetos" e se prepara para novos desafios. O que vem por aí? Descubra favoritando o blog e seguindo nas outras redes sociais.

3 COMENTÁRIOS

  1. Adorei o texto! Também me sinto assim em relação aos desejos e como eles interferem no que vai acontecer na nossa vida.
    Fico muito grata por poder ler palavras tão belas com uma escrita tão delicada que me inspira e me faz ver um outro lado da vida.

  2. Bem, adoro seus textos e esse tbem é bom, mas, gostaria de questionar um ponto, claro que a nossa cabeça pode nos afastar do que realmente queremos, mas vc citou o exemplo de uma mulher que engravida logo após ter adotado, e realmente não acho que isso seja uma regra e até colocaria a mãe como a culpada por um casal não ter filhos, e quantas vezes o problema é outro?? Essa pessoa já se culpa o suficiente, já é cobrada por todos, e entendida por poucos….Não me leve a mal, realmente sou fã de A Soma de Todos Afetos, mas esse exemplo, talvez por ser uma pedra no meu sapato (Não consegui engravidar, qdo consegui perdi, e quero adotar, mas a demora e burocracia são infernais) achei o exemplo infeliz.

  3. Boa Noite!!

    Não se compare a esta ilustração, é um exemplo simples que foi passado. Como dizemos as vezes a uma criança quando ela se machuca, quando casar sara, E também não foi mencionado que “é” uma regra. E culpa é algo que você aceita para você e não alguém que lhe rótula. Importante entender que opinião qualquer pessoa pode ter, dar mas, cabe a cada um usar a razão para fazer o crivo. Você conseguirá realizar seu desejo se estiver no seu destino de vida e não por causa de uma coisa, palavra ou alguém. Acredite em Deus e ele lhe dirá através da paciência, entendimento e compreensão que tudo acontece na hora certa. Nós é que atropelados as coisas. Fica com Deus.

    Ronaldo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here