O que sou por nós diariamente

Sou a vontade de chegar mais cedo e o desejo de dormir mais tarde. A saliva que não se separa e o nó cada vez mais atado. Sou teu travesseiro e quero, antes da noite que chega ligeira e do sono que nos mantém calados, lembrar-me de como é bom dormir ao teu lado.

Sou o beijo matinal antes do creme dental. Sou o imã da nossa cama a não querer nos libertar, quando as primeiras vontades do dia são: ficar, ficar e ficar. Sou a água a banhar teu corpo e o sabonete a te perfumar. Sou teu café sem açúcar na tua boca já doce e a recompensa mais pura que a tua vida me trouxe.

Sou a nossa despedida esperada. Sou cada rumo tomado. Sou a rua sem saída e o relógio arrastado. Sou a mensagem de texto com a saudade espremida entre a vontade da fuga e a hora da partida. Sou o ônibus cheio, sujo e apertado. O trânsito frio, calculista e mal intencionado. Sou a chuva repentina a me esperar no ponto e a lavar minha alma até a nossa esquina.

Sou o mesmo Déjà vu ao rever teu semblante. O mesmo sorriso de olhos e bocas. O beijo afobado a arrancar as roupas e a nos encaixar no próximo instante. Sou a cama quebrada no chão. O vizinho a bater no portão. Sou o cafuné em forma sobremesa e a ternura sempre tão ilesa.

Sou a vontade que nunca tive de manter uma rotina. A certeza que agora tenho de querer-te ao acordar. Sou o desejo sincero de uma vida possível, que nos revele as nossas impossibilidades e, nos ensine que o nosso único compromisso diário é amar.

Imagem de capa: Anatolii Brohovskyi, Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Fellipo Rocha

Fellipo Rocha é poeterapeuta, músico e idealizador da página Corpoesia. Além disso, escreve pelos sorrisos que perde, todas as vezes em que não sai de casa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here