Encontrei você

Encontrei nos teus olhos, o brilho que eu acreditava estar extinto nos meus. A luz que há muito tempo estava apagada nos meus. A ternura que eu já não reconhecia nos meus.

Encontrei nos teus olhos a cor já esquecida, da minha – tão desgastada – vida, e que agora colore os meus. Encontrei nos teus olhos, os meus e, nos meus, os teus. Encontrei na tua boca, a vontade de não me separar, o desejo de me comprometer e a saudade ao me afastar. Encontrei na tua boca, a voz de um anjo desconhecido, que ao cantar se mostra amor, e ao falar se mostra amigo.

Encontrei na tua boca, os dentes mais bonitos que já vi, o céu mais estrelado que já presenciei, e o hálito mais doce que já dividi. Encontrei na tua boca a necessidade de ficar e me entorpecer, de me instalar e nunca mais sair. Encontrei no teu abraço, a cura para todo o cansaço que há em mim. Encontrei nos teus braços, a cura para toda a solidão que há em mim. Encontrei nos teus braços, os abraços que preciso e o calor – mais que preciso.

Encontrei nos teus abraços o conforto que eu precisava e que é exatamente o que posso oferecer. Encontrei no teu abraço, o porto para me ancorar e o remédio, para nunca mais me entristecer. Encontrei em você, o que nunca imaginei que pudesse ainda existir em mim. Encontrei em você, um caminho para novamente prosseguir. Encontrei em você, musa, a inspiração até então adormecida, que agora se mostra enriquecida, pela vontade gigantesca de te ver.

Encontrei em você a paz, e a possibilidade de não mais sofrer. Encontrei em você, pequena, a poesia que vale a pena.

Imagem de capa: Anna Om, Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Fellipo Rocha

Fellipo Rocha é poeterapeuta, músico e idealizador da página Corpoesia. Além disso, escreve pelos sorrisos que perde, todas as vezes em que não sai de casa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here