O ministério dos relacionamentos adverte: antes de buscar o amor de outra pessoa, experimente o amor próprio.

Falo com propriedade sobre isso, não pense que encontrará um novo amor, quero dizer, um amor que valha a pena, com esse coração machucado. Espera mesmo que um sentimento tão nobre seria atraído por um coração cheio de ressentimentos? Desculpe desapontá-lo(a), mas buscar por um amor com o coração adoecido, seria o mesmo que colocar mel num recipiente com vinagre. Purifique primeiro o seu coração para que ele se torne um recipiente digno para acondicionar esse mel.

O amor não cede à ansiedade de quem quer que seja, ele é fã dos distraídos. O amor entende que, quando estamos magoados, não estamos aptos a amar, estamos apenas procurando uma “bengala” para nos apoiarmos. O amor tem discernimento suficiente para perceber a diferença entre querer um amor e querer vingar-se de um(a) ex, por exemplo, e vingança nunca foi e nunca será a “praia” desse sentimento.

O amor compreende perfeitamente que, uma pessoa machucada por uma ruptura de um relacionamento não precisa de um novo relacionamento, e, sim, de recolher-se e curar os seus ferimentos. O amor recusa-se a fazer parte de joguinhos e manipulações, ele é sensato e nobre demais para se prestar a um papel desse. Ele sabe exatamente em que terreno deve pisar, não se expondo aos terrenos áridos nos quais não terá chance de germinar, tampouco de florescer.

O amor prefere surpreender aos corações distraídos e desprovidos de ansiedade, aqueles corações que já passaram pelos estágios da dor, do desespero e da desesperança e que, por fim, redescobriram a vida em outros interesses. Sim, o amor entende, como ninguém, que ele só será próspero em corações e mentes que possam compreendê-lo como aliado da liberdade. O amor só germina, floresce e frutifica em corações inteligentes e em almas maduras.

Pessoas desesperadas por encontrar um amor, acabam por afugentar possíveis pretendentes interessantes, isso porque elas acabam emitindo sinais de que o objetivo central da vida delas é ter alguém e isso as torna completamente desinteressantes. O fato é que uma pessoa que sente-se diminuída por não ter um parceiro, dificilmente será um parceiro interessante. Ela, provavelmente, não terá maturidade suficiente para viver um relacionamento de forma harmoniosa, ela sempre verá, no parceiro, uma posse dela.

Enquanto o parâmetro para uma possa avaliar-se como interessante for o status de relacionamento, ela estará sempre à mercê de relacionamentos desastrosos. O amor é apaixonado por pessoas que tenham consciência do próprio valor. O amor sente-se constrangido nos contextos em que ele é mendigado. O amor não suporta ser confundido como migalhas pois ele é um banquete. O amor sente-se ferido quando o confundem com força, pois ele é laço. Por fim, o ministério dos relacionamentos adverte: antes de buscar o amor de outra pessoa, certifique-se de que esteja experimentando o amor próprio.

Imagem de capa: Ulza, Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Ivonete Rosa
Sou uma mulher apaixonada por tudo o que seja relacionado ao universo da literatura, poesia e psicologia. Escrevo por qualquer motivo: amor, tristeza, entusiasmo, tédio etc. A escrita é minha porta voz mais fiel.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here