“Cada final de amor é uma pequena morte”

Ontem, assistindo à série Grey’s Anatomy, me deparei com um episódio em que uma recém nascida tinha que ser operada de um tumor no coração. Após a retirada do tumor, seu coração começou a falhar, e enquanto os médicos assistentes se preparavam para a reanimação, a chefe da cardiologia disse: “Meu plano é dar um minuto a ela. Ela acabou de perder algo enorme que estava com ela desde o começo. O coração precisa aprender a bater sem a carga extra. Ela só precisa de um tempo para se adaptar.” 

Ok, a série é uma ficção muito bem escrita, mas o fato é que precisamos encarar o fim do amor como uma pequena morte, uma perda que deve ser sentida e vivida como um pequeno luto. Temos que viver nosso “um minuto” de tempo para nos adaptarmos a uma outra forma de vida, completamente nova. E se não encararmos a dor do fim do amor como uma despedida definitiva em vida, não seguimos em frente como deveríamos.

Há muitos anos, após um rompimento que me fez sofrer muito, recebi a visita de uma grande amiga e fomos ao cinema assistir ao drama “Lado a Lado”. Pra quem não sabe, o filme é triste e melancólico, e arranca lágrimas com facilidade. Pois bem. Eu estava sofrendo pelo fim do meu namoro, chorando escondida no chão frio do banheiro, mas não me permiti derramar uma lágrima sequer durante a exibição do filme para não “dar o braço a torcer” para minha amiga (e quem quer que fosse) que eu estava mal. Eu não queria demonstrar que também enfrentava um luto.

Existe uma censura muito grande que não nos permite demonstrar nosso sofrimento pela despedida do amor tal qual a despedida provocada pela morte. Porém, em ambos os casos, é preciso admitir que dói, que restou um vazio, que perdemos algo que amávamos. É claro que não precisamos anunciar nossa aflição por aí, mas talvez ajudasse sermos honestos com nossos sentimentos, reconhecendo que de vez em quando é preciso dar trégua ao discurso do pensamento positivo e simplesmente expressar nossa tristeza, nossa indignação, nosso abandono e abatimento.

A literatura está cheia de estatísticas a respeito do tempo de recuperação de um coração partido. Porém, tenho aprendido que para as dores do coração, cada um tem seu próprio tempo de recuperação. E ela depende de inúmeras variáveis, mesmo porque a dor da perda pode estar misturada à dor da rejeição, à raiva da traição, ao desmoronamento dos sonhos e planos. Seguir em frente depois da desistência do amor é entender que não se “cura” o fim de uma relação importante. O que acontece é que a gente aprende a conviver com as perdas, a não enrijecer com as tristezas, a ter fé de que pouco a pouco tudo se ajeita, dentro e fora de nós.

Dure o tempo que durar, entenda que vai passar. Só não tenha pressa. Não saia por aí reanimando um coração que ainda não está pronto para acelerar. Tenha paciência e espere seu tempo de recuperação. A vida não é uma corrida para ver quem supera mais rápido ou disfarça melhor.

Dizem que a dor do amor é semelhante ou ainda maior que uma dor física. Porém, ela vai permanecer o tempo que você permitir. E uma hora você terá que autorizar que ela vá embora. Terá que estar disposto a abrir mão daquilo que lhe integrava e não integra mais. Terá que aprender a desapegar, a se despedir, a transformar a dor da perda numa saudade bonita, que poderá lhe acompanhar indefinidamente, mas com certeza não lhe fará mais mal.

Para comprar meu novo livro “Felicidade Distraída”, clique aqui.

Imagem de capa: Paulik / Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Fabíola Simões
Nasceu no sul de Minas, onde cresceu e aprendeu a se conhecer através da escrita. Formada em Odontologia, atualmente vive em Campinas com o marido e o filho. Dentista, mãe e também blogueira, divide seu tempo entre trabalhar num Centro de Saúde, andar de skate com Bernardo, tomar vinho com Luiz, bater papo com sua mãe e, entre um café e outro, escrever no blog. Em 2015 publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos os Afetos" e se prepara para novos desafios. O que vem por aí? Descubra favoritando o blog e seguindo nas outras redes sociais.

6 COMENTÁRIOS

  1. “a transformar a dor da perda numa saudade bonita”…..Amei essa frase, é muito verdadeira.
    Pois o amor dói quando termina, mas amar é extremamente bonito.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here