O fato de você sentir a minha falta deixou de importar quando fui embora

O fato de você me procurar e sentir a minha falta deixou de importar quando eu fui embora. Antes de cruzar essa porta, deixei para trás uma história de entrega não correspondida. Uma companhia nunca apreciada. Um jogo de máscaras interminável que ​​deixou de ser divertido quando eu precisava parecer feliz enquanto recolhia os pedaços quebrados por dentro.

Pedacinhos que foram se desprendendo do gesso da sua máscara que eu tentava remover sem destruir, porque acreditava que por trás do seu ego havia alguém ferido. Cada vez que eu tentava, me sujava mais. Você fazia falsas promessas sem levar em conta que, para mim, eram muito importantes.

Eu sei que você sente a minha falta, mas eu fui embora porque sentia que estava sempre sobrando. Era a atriz/ator coadjuvante de uma falsa história de amor que apenas escondia a sua comodidade e as suas exigências. Um jogo no qual eu sempre saía perdendo porque quem “dava as cartas” era você.

Tranquei a porta para não machucá-lo. Tranquei a porta porque às vezes você precisa parar e deixar de ser um suporte em uma novela onde nunca entendeu os argumentos. Fechei a porta para encerrar esse capítulo e agora já não importa mais se você sente a minha falta ou não.

As falsas ilusões dos términos

Existem muitas ilusões e esperanças escondidas por trás de um rompimento amoroso. Esconde-se o desejo implícito de que a outra pessoa “abra os olhos” e sinta falta do que perdeu. Quando isso acontece, estamos sabotando a nossa autoestima e o nosso amor-próprio. Nos dedicamos totalmente a este relacionamento e, mesmo assim, estamos dispostos a pagar o preço pelas dúvidas e indecisões da outra parte.

Nos sentimos vitoriosos quando alguém reconhece que sente a nossa falta. Nós não percebemos que a vitória pessoal não se baseia em qualquer reconhecimento ou arrependimento. A grande vitória é fechar as portas para sempre quando damos tudo e não recebemos nada.

Adiamos a nossa tranquilidade emocional, como se o nosso próprio julgamento não fosse suficiente para provar, para percebermos que estamos nos consumindo por dentro e que uma “desculpa” tardia não muda nada. Um “volte, eu sinto a sua falta” sem oferecer nenhuma mudança nos expõe para entrar novamente na roleta russa de uma relação cheia de lacunas.

Amar não significa perder a dignidade

O amor não nos torna mais dignos, mas traz serenidade e paixão para vivermos com um entusiasmo indescritível. Um motor de plumas escondido em pequenos gestos e rotinas que nos salvam do ritmo agitado da vida diária. O desejo de uma intimidade única, o contato com a nossa pele explorando os nossos sentidos e despertando a nossa conexão com o mundo.

Amar não é preencher o tempo para suprir as nossas angústias, receber chamadas protocolares que nos fazem entender que estamos vivos. O amor, entendido como um relacionamento aberto a vários parâmetros acordados por ambas as partes, é um relacionamento e uma união de forças onde nenhuma das pessoas envolvidas deve se sentir mal, como alguém que espera uma determinada resposta que não chega diante de mil abordagens ambíguas.

“Existem algumas regras sobre o amor e o casamento que eu sei que são verdadeiras. Se você não respeitar a outra pessoa, terá muitos problemas. Se você não sabe ceder, terá muitos problemas. Se você não sabe falar abertamente sobre o que acontece entre vocês, terá muitos problemas. E se vocês não tiverem uma lista comum de valores de vida, terão muitos problemas. Seus valores devem ser semelhantes”.
– Mitch Albom –

O amor deve ser livre e tranquilo; cada um deve manter a sua própria independência. Não deve ser confundido com a exploração e o isolamento emocional de um dos envolvidos. Isso não é amor livre, mas uma liberdade explícita da utilização do amor do outro conforme lhe convém.

Então, quando você decidir fechar as portas, pense no que o levou até aí. Certamente nenhum momento do passado valeu a pena. Esqueça as reconciliações literárias para não reescrever um romance que não o leva a lugar nenhum. Com o passar do tempo não sentirá mais falta do que um dia alguém achou demais. Se você sente falta, agora terá tempo para encontrar um novo amor. Agora é o seu momento, e o mais importante é a sua relação com você mesmo/o.

Fonte indicada: A Mente é Maravilhosa

Imagem de capa: Konontsev Artem, Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here