Jogue fora o que não te cabe mais

Imagem de capa: AnnaTamila, Shutterstock

Odeio acúmulos. Não sei lidar com excessos, com coisas acumulando poeira, com histórias guardadas e ocupando o espaço de gavetas, armários e coração. Não. Prefiro o pouco. Vira e mexe paro a rotina para me desfazer de tudo e deixar a casa e a alma leve. Os olhos agradecem, depois. O coração, que pulsa tranquilo, também.

Faz um tempo que me livrei do apego ao desnecessário. No começo doía um bom bocado abrir mão, jogar fora, doar. Parecia que parte de mim ia embora, sabe? Quando entendi que eu precisava me desfazer desses entulhos e sentimentos, percebi que, na verdade, não era parte de mim que ia. Era tanto espaço que sobrava, que eu ficava maior – e não me reconhecia.

Não sofro mais. Acredito que tudo deve ir, quando já deu seu prazo de validade. Sejam roupas, sapatos, sentimentos – pessoas. Ninguém nasceu para ser eterno — essa é a maior mentira do universo. O mundo é cíclico. Tudo se renova para poder seguir, para que não fiquemos parados no mesmo tempo e espaço, só vendo os dias se desenrolarem, sem sentido, sem sentir.

Agora fico só com o que pulsa. Com o que me rouba o fôlego, com que me arranca o riso, com o que me tira da zona de conforto. E, apesar de, ainda gosto de acumular – e acumulo mesmo! – sorrisos, boas memórias e rolhas de vinho, preferencialmente as que foram bebidas em boa companhia…

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Mafê Probst
Engenheira, blogueira, escritora e romântica incorrigível. É geminiana, exagerada e curiosa. Sonha abraçar o mundo e se espalhar por aí. Nascida e crescida no litoral catarinense, não nega a paixão pela praia, pelo sol e frutos do mar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here