Quem te ama, ama aqueles que são preciosos para você

Eu diria que nessa vida somos nós e nossos amores e não apenas nós, tão pouco só nossos amores, a compor tudo que somos. Chamo de amores aqui todos aqueles que nos são queridos e amados.

Depois de alguns bons passos, relações fortes e duradouras nos acompanham por onde quer que andemos. Filhos, sobrinhos, cônjuges, amigos de longa data, afilhados. Temos nosso significado intimamente atrelado àqueles que amamos profundamente.

Sabemos que eles são parte efetiva de nossa constituição e eles têm morada cativa em nosso coração. Contudo, por vezes, pode acontecer de aceitarmos em nossa vida pessoas que dizem nos amar, mas que agem diante daqueles que amamos de uma maneira muito peculiar e tendenciosa.

Então, desconsiderando nosso próprio bem-estar, essas novas pessoas passam a menosprezar aqueles que são preciosos para nós.

De repente, sem razão aparente o amor que essas novas pessoas dizem sentir por nós, romântico ou fraternal, não é suficiente para abraçar os nossos. De repente, esse amor pode não ser amor.

Não estou dizendo aqui que aqueles que nos amam devem amar todos que fazem parte do nosso círculo de amizades e parentes. Estou dizendo, de forma específica, que aqueles que nos amam estendem seus laços de amor aos que são importantes para nós. O amor verdadeiro é abrangente. Ele não se limita, rareia ou fica escasso se for além.

Quem assistiu ao belo filme biográfico “A Teoria de Tudo” certamente sabe do que estou falando. Nele o jovem cientista Stephen Hawking se casa com a estudante de humanas Jane Wide após descobrir que tem uma doença degenerativa. Em determinado ponto da história entra na vida do casal, além dos filhos, o professor de música, Jonathan, com quem Jane viria a se casar no futuro.

A relação de Jonathan com Stephen é de respeito e cordialidade. O amor de Jonathan por Jane permite que ele ame tudo que diz respeito ao universo dela, e isso inclui os filhos e até mesmo o marido dela.

O amor real não é restritivo. Não é tendencioso. Não é limitante. Não age de forma a se apropriar do outro. O amor verdadeiro aceita e naturalmente abrange todos que são também queridos para nós.

Se o amor que te propõem é apertado demais. Se nele você não cabe completo. Se existem numerosas condições para que o amor exista, preste atenção, pode ser que não seja amor.

Atribuição da imagem: pixabay.com – CC0 Public Domain.

Acompanhe a autora no Facebook pela sua comunidade Vanelli Doratioto – Alcova Moderna.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Vanelli Doratioto
Vanelli Doratioto é uma escritora paulista, amante de museus, livros e pinturas que se deixa encantar facilmente pelo que há de mais genuíno nas pessoas. Ela acredita que as palavras são mágicas, que através delas pode trazer pessoas, conceitos e lugares para bem pertinho do coração.

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here