O detox para o amor

Imagem de capa: Gorosi, Shutterstock

O amor não é fácil. Não é como abrir uma gaveta e trajar o romantismo mais bem vistoso para sair às ruas cantarolando “Exagerado”. Algumas vezes, a dor é opcional. Detox para o amor, eu recomendo.

Antes de mais nada, o discurso abaixo não é fruto de ódio, síndrome do mal-amado ou de resquícios do toco sofrido recentemente – bem, talvez, quem sabe…O importante é atentar que as palavras a seguir não provém de nenhuma sandice. Amar também dói, e quando se é uma pessoa romântica, a cara de mocinho (a) no melhor estilo “maiores romances de todos os tempos”, a coisa fica feia! Porque convenhamos, um término ali e outro acolá, faz parte. É complicado perpetuar o foco numa leitura diante de um trânsito caótico, imagine, manter o carinho incondicional frente à tantas belezas digitais e sorrisos diversos nos corredores diários e, quando digo isto, não quero dizer a respeito da fidelidade dos casais, mas cá pra nós, existe algo dentro do ser humano que solta uns fogos quando você bate o olho em algo bonito. É natural. Admiração tola, mas não deixa de ser legítima.

Um dia desses, você conhece alguém. Vocês ficam juntos. É tudo lindo. Você fica inspirado, faz marcações no Facebook, discursos épicos, dá presentes, dedica canções e segue todo o roteiro de praxe que consta no manual dos românticos. Daí algo acaba dando errado. A troca de culpas é constante. Cada um segue o seu caminho, mas a dor fica ali, estacionada no seus pensamentos, sim, nos pensamentos. Porque neste estágio, o coração depois da primeira batida entra em modo automático, mas os pensamentos, cruéis e repleto de nóias, transformam o “acontece” no “maldito(a) seja” ou dilacerou o meu pobre e romântico coração. Indo mais além, você indaga, por que ser romântico me faz sofrer? Amar desmedidamente é o caminho?

Já obtive inúmeras provas das quais as respostas para estas perguntas são os piores medidores possíveis. Que não vale a pena, que o problema está em ser inocente demais, fantasioso demais. Talvez, quem concorde com essas teorias realmente esteja certo, afinal, muitos filósofos e psicanalistas desvendaram em pormenores, que amar é uma condição, e não uma imposição. Mas nos colocamos na situação pedinte de mais amores, mais romantismos. Não da parte clichê – alguns gostam, do querer estar com alguém, dos corpos suados entre lençóis, das mãos dadas naquele passeio de domingo, dos planos, encantos e conquistas propiciadas pela vida de dois seres independentes, mas dependentes por escolha, a concretização de um pacto honesto para seguir viagem, juntos.

Então vamos chegando no final do texto e, de repente, melhor, certamente você estará se perguntando onde o diabos do detox do amor entra nisso tudo? … Pois bem, o detox é aceitar falar sobre. Discursar consigo, refletir sobre o injusto e muitas vezes, perecível amor. Porque ainda que eu sofra diversos acidentes emocionais pelo caminho, o chassi romântico segue acreditando que o melhor caminho seja não saber da existência do melhor caminho, sorrindo diante do improvável e feliz por reconhecer que para desintoxicar-se do amor passado, você pode abrir a gaveta e trajar o romantismo clássico, daqueles que você só encontra em edições limitadas, mas ainda em boas condições.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Guilherme Moreira Jr
"Cidadão do mundo com raízes no Rio de Janeiro"

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here