Não há mais tempo: precisamos acordar e viver num tom maior

“Ainda é cedo, amor / Mal começaste a conhecer a vida / Já anuncias a hora da partida/ Sem mesmo saber o rumo que irás tomar…” Nos versos de Cartola, mais do que um lamento agridoce, o grito de quem não quer permitir o viver escorrer pelas mãos. Estamos tão indefesos sobre o tempo restante que, muitas vezes, perdemos diversas janelas de amor, carinho e de um arco-íris mais sentimental e sincero. Não há mais tempo para lamentos. Não há mais porquê de refrearmos essa vontade de transcorreremos enquanto respiramos todo o nosso melhor. Para nós e para quem quer que esteja ao redor.

A vida é breve e precisamos de sonhar. Dos planos possíveis até os aparentemente impossíveis. É se entregar aos desejos mais vívidos. Aproveitar cada instante para o que realmente importa e permanece. Nada de desculpas atrasadas e esfarrapadas sobre um “hoje não posso” ou “isso não vai dar certo”. Tudo a ser conquistado por nós depende única e exclusivamente da nossa disposição inteira em querer.

A vida é um sopro e precisamos vivê-la. Devemos nutrir a coragem de nos lançarmos em inteiros uns aos outros antes que seja tarde. Porque a vida é esse emaranhado de laços afetivos, onde colocamos inúmeros pedaços de nós na tentativa de estabelecermos sentimentos mais sólidos e uma gratidão pura através do caminhar.

A vida é vida e precisamos do agora. Sem mais delongas, abraços incontáveis, beijos sem explicação e, acima de tudo, novos e preciosos sorrisos por quem já não pode disfarçar tamanho apreço e respeito por um viver num tom maior.

“Ouça-me bem, amor / Preste atenção, o mundo é um moinho / Vai triturar teus sonhos, tão mesquinhos / Vai reduzir ilusões a pó…”

Precisamos acordar. O samba das nossas vidas cabe em mais de uma nota. Não há mais tempo.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Guilherme Moreira Jr
"Cidadão do mundo com raízes no Rio de Janeiro"

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here