Você ainda se lembra dos amores que teve na infância?

Hoje foi dia de arrumar o quarto. Tava uma bagunça feia, você nem imagina. Ou imagina, não sei. Esse é o tipo de tarefa que todas as pessoas do mundo devem detestar. Às vezes é na desordem que nos encontramos, no meio de papéis, livros, roupas e coisas que a gente nem imaginava que ainda existiam, coisas que já deveriam ter sido jogadas no lixo faz tempo, como aquele rascunho de poema que ficou parado lá pelo terceiro verso ou uma caneta sem tinta que agora só serve de enfeite. Os perfeccionistas que me perdoem, mas eu gosto mesmo é da confusão.

O engraçado é que acabei encontrando uma caixinha velha repleta de cartas e documentos secretos da minha infância, coisas que eu escondia debaixo da cama na esperança de que ninguém nunca encontrasse. Documentos sigilosos, como aquele depoimento que nunca foi lido pelo destinatário. Cartas de amor e poemas abstratos, rimando amor com calor, paixão com ilusão e outros pequenos experimentos literários. Encontrei uma cápsula do tempo! Meus sentimentos mais profundos, esquecidos numa caixinha empoeirada.

E como eu era apaixonado naquela época! Quem escreveu aquelas cartas estava morrendo de amores, dá para ver isso nas linhas tortas, nas palavras doces e na completa falta de medo de dizer a verdade. “Eu te amo” repetidas vezes. Juro que amei, mas até então não me lembrava. Foi preciso reler para redescobrir o significado do amor. De repente a tarefa de arrumar o quarto pareceu um pouco menos inconveniente.

Talvez seja preciso arrumar também o coração, ver se tudo continua funcionando. Afinal de contas, guardamos muitas coisas que são exatamente como aquela caneta sem tinta, só servem de enfeite. Mas outras – essas sim importantes – devem ser tiradas de dentro da caixinha empoeirada e colocadas em um lugar de fácil acesso, para que sempre lembremos de quem verdadeiramente somos.

COMPARTILHAR
Valter Junior
Amante de café, boas ideias e mulheres de atitude. Adora conhecer pessoas, filmes e músicas novas. Fundador do Puta Letra. Pai de um livro, esperando o segundo bebê.



DEIXE UMA RESPOSTA