“Eu não me arrependo de você”

Outro dia ouvi Caetano cantando “eu não me arrependo de você…” e enfim constatei que o tempo passou, que as mágoas se dissiparam e que restaram boas lembranças para eternizar o tempo bom que vivemos.

Eu não me arrependo do dia em que lhe vi pela primeira vez, do instante em que sua mão alcançou a minha, da fagulha de tempo em que nossos pensamentos acreditaram que seria pra sempre.

Eu não me arrependo das horas passadas ao seu lado, das histórias lindas que pensávamos ser eternas, das promessas que jurávamos cumprir um dia.

Eu não me arrependo e sei que você não se arrepende também, pois o que foi escrito permanece, e mesmo que o tempo passe, nada apaga os risos, os sonhos, as alegrias tímidas que um dia fizeram parte de nossos planos.

Eu não me arrependo de ter lhe dado minhas horas, meus momentos, uma estação de minha existência.

Não me arrependo porque sei que houve momentos em que você pensou cuidar de meus minutos com cuidado, e por alguns instantes você soube fazer deles felicidade, e mesmo sem intenção, trouxe paz para meu coração.

Nada pode desmentir o que a gente construiu, e mesmo que não tenha sobrado nada agora, você sabe que as lembranças carregam beleza, carregam carinho, carregam uma porção de nós que não vai se perder no caminho.

Eu não me arrependo do que sofri, do que chorei, do que errei. Só assim pude entender que meu caminho é outro, que mesmo te levando comigo minha história é diferente da sua; que mesmo doendo, é longe de você que posso me recriar e me encontrar de verdade.

Eu não me arrependo de você porque ao seu lado cresci, amadureci, aprendi a perdoar e a entender que a tristeza do fim faz parte da história do amor.

Eu não me arrependo das brigas, das vozes elevadas querendo ter alguma razão, das vezes que jurei negar o seu perdão. Não me arrependo porque me ensinaram a me amar sem restrição.

Eu não me arrependo de você, do seu sorriso, do seu abraço. Tudo foi aprendizado, me levou ao amor de hoje, o amor que eu amo e me ama de fato.

E não me arrependo do que restou, da amizade que ficou, da lembrança boa que deixou.

Espero que siga sem arrependimento também, pois fui o melhor que consegui ser naquele momento, e mesmo não sobrevivendo, foi o amor que selou um tempo…

Para adquirir o livro “A Soma de Todos os Afetos”, de Fabíola Simões, clique aqui: “Livro A Soma de todos os Afetos”

COMPARTILHAR
Fabíola Simões
Nasceu no sul de Minas, onde cresceu e aprendeu a se conhecer através da escrita. Formada em Odontologia, atualmente vive em Campinas com o marido e o filho. Dentista, mãe e também blogueira, divide seu tempo entre trabalhar num Centro de Saúde, andar de skate com Bernardo, tomar vinho com Luiz, bater papo com sua mãe e, entre um café e outro, escrever no blog. Em 2015 publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos os Afetos" e se prepara para novos desafios. O que vem por aí? Descubra favoritando o blog e seguindo nas outras redes sociais.



5 COMENTÁRIOS

  1. Nossa, que intenso. Fui lendo num só fôlego, mas no fim fiquei aliviado.

    Edson ([email protected])

DEIXE UMA RESPOSTA