“O que quer que aconteça, é a única coisa que poderia ter acontecido”

Os hindus acreditam muito naquilo que chamamos de “destino”. Para eles, tudo aquilo que ocorre não poderia ter sido de outra forma. Sendo assim, a afirmação “aconteceu a única coisa que poderia ter acontecido” é uma das quatro leis da espiritualidade ensinadas na Índia.

É uma frase conformista, eu sei, mas também nos ensina a aceitar o que é posto em nosso caminho e a valorizar os encontros que ocorrem em nossa jornada.

Acredito que nada é em vão, e o sofrimento faz parte disso também. Pois vivemos uma experiência humana, e quanto mais rica for essa experiência, quanto mais ela nos desafiar a crescer, melhor será.

O que quero dizer é que nem sempre estamos onde gostaríamos, vivendo as histórias que sonhamos, mas é preciso aprender a fazer castelos com o punhado de areia que dispomos.

Agora me vem à lembrança um filme lindo que assisti semana passada: “De Onde Eu Te Vejo”, com Denise Fraga e Domingos Montagner. Lá pelas tantas, uma das personagens diz: “A vida é mais forte que a gente”. Fiquei com a frase na cabeça, pensando em tudo o que aconteceu com Domingos (um dos protagonistas do filme), e em tudo que ocorre na vida da gente. Mais uma vez, é uma frase conformista, que nos reconcilia com nossas limitações, fraquezas e impossibilidades. Mas também nos ensina as lições de aceitar, confiar e deixar ir.

A vida dita muitas regras, e a gente tem que se adequar. A gente tem que se adequar à panela queimada, ao café frio, à unha lascada, ao pão amanhecido. Se adequar aos finais que nos surpreendem quando a gente queria mais, às pontes derrubadas quando tudo o que a gente desejava era poder atravessá-las, aos muros erguidos em jardins que a gente cuidava para não morrer jamais. A gente tem que se adequar àquilo que a gente não planejava mas a vida planejou pra gente.

Porém, a vida também traz novidades, alegrias renovadas, presentes merecidos. Tudo o que é posto em nosso caminho nos pertence, e devemos ser gratos por isso, entendendo que a felicidade é a soma de muitos instantes felizes, e temos que estar prontos para sentir e valorizar. Valorizar cheiro de filho dormindo, pôr do sol visto da janela do carro, taça de vinho tinto, cabelo obediente, abraço de amigo, saudade no porta retrato da sala, dieta que deu certo, coração pronto para amar de novo.

“O que quer que aconteça, é a única coisa que poderia ter acontecido”. E isso inclui aceitar os finais que ocorrem a todo instante em nossa vida. Não tentar remendar o que descosturou, mas tentar produzir peças inéditas com os tecidos novos que acabaram de chegar.

Nem sempre é fácil entender que um tempo chegou ao fim. Vivemos de esperanças, mas talvez seja hora de entender que o que acabou, acabou. E é importante chorar o fim, vivenciar o luto e decretar a partida de um tempo para que a vida siga em frente com mais leveza e novos planos.

Você está onde deveria estar. As pessoas que lhe cercam são as pessoas certas para fazerem parte da sua vida neste momento, e tudo o que você atrai tinha que fazer parte da sua vida, de um jeito ou de outro. Tudo isso é clichê, mas faz sentido.

Assim como faz sentido entender que algumas coisas estão reservadas para nós, para mais ninguém. Não cobiçar as dádivas alheias e aceitar a própria história, com tudo de bom e ruim que lhe coube até aqui, é o segredo para amar a vida que lhe escolheu.

Finalmente, uma historinha: Quando eu era menina, gostava de pedalar a bicicleta com bastante força para lá na frente soltar os pés do pedal e deixar a bicicleta correr sem esforço algum, apenas sentindo o vento no rosto. O que eu não sabia é que a vida é dada a essas coisas também. Há o tempo de pedalar e o tempo de relaxar. Talvez você ainda não sinta o vento no rosto, e a fase que está vivendo dói tanto quanto cortar o dedo numa folha de papel afiada. Mas experimente confiar… Confiar em Deus, confiar no momento que você vive, confiar nos rumos que sua vida tomou. Aquiete seu coração e confie no tempo de esperas. Acalme seu espírito e confie no novo dia que está nascendo, nas novas mudas que estão florindo, no cabelo que está crescendo. Confie na renovação que ocorre todo dia sem que a gente se dê conta, nas possibilidades que a vida nos dá diariamente, e nos finais que precisamos digerir e aceitar…

bike

Para adquirir o livro “A Soma de Todos os Afetos”, de Fabíola Simões, clique aqui: “Livro A Soma de todos os Afetos”

COMPARTILHAR
Fabíola Simões
Nasceu no sul de Minas, onde cresceu e aprendeu a se conhecer através da escrita. Formada em Odontologia, atualmente vive em Campinas com o marido e o filho. Dentista, mãe e também blogueira, divide seu tempo entre trabalhar num Centro de Saúde, andar de skate com Bernardo, tomar vinho com Luiz, bater papo com sua mãe e, entre um café e outro, escrever no blog. Em 2015 publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos os Afetos" e se prepara para novos desafios. O que vem por aí? Descubra favoritando o blog e seguindo nas outras redes sociais.



8 COMENTÁRIOS

    • Angelina, acredite que para tudo há um início, meio e um inevitável fim.
      Assim como a natureza, nós temos nossos ciclos e acredite, tudo o que vc passar hj vai te servir como base para o amanhã e consequentemente te tornará uma pessoa forte, portanto, aproveite esse momento pelo qual está passando, e faça dele o que melhor lhe couber, e com o tempo vc verá que tudo fez sentido.

  1. Parabéns pelos textos , você escreve interpretando muito bem os sentimentos das pessoas. Confesso que quando comecei a ler seus textos me perguntei :”essa mulher deve ser psicologa pra saber tanto sobre comportamento humano”. Ai decidi olhar sua descrição pessoal e me surpreendi ao saber que você é dentista. Estou no setimo semestre de odontologia e super te parabenizo pelo talento da escrita !

DEIXE UMA RESPOSTA