O amor é uma escolha

Sabe aquela pessoa que você idealiza? Aquela que você espera encontrar um dia, que não vai te magoar, nem te decepcionar, que vai fazer tudo certo? Sim, este é o seu grande amor.

Na verdade, é o seu amor platônico, e nada mal em ter um. Aliás, seria muito bom se existisse, seria fácil, seria simples, mas não seria amor. É que amor mesmo, bem clichê, é outra coisa. Se fosse fácil, ninguém nunca teria pensado em ir embora, e quem nunca pensou? Quem nunca se perguntou se todos os esforços valiam a pena? Ou ficou imaginando como seria se estivesse em outro lugar?

É que o amor é difícil pra caramba, é sobre doar-se, sobre entender o outro (e toda a sua complexidade) e a si mesmo, e ainda tentar encaixar tudo isso. Perceba que o amor é entender os detalhes, aliás, está tudo neles. É saber que uma parte do amor pode morrer a cada dia, com pequenas atitudes, e tentar mantê-lo ou reconquistá-lo no dia seguinte. Amar é sobre valorizar os pequenos momentos.

O amor é assim mesmo, meio imperfeito, meio desordenado, meio burro. Amar é amar nas indelicadezas. É se acostumar com aquele sorriso torto e com aquele cabelo bagunçado. É abraçar apertado, mesmo com aquele cheiro de suor no verão. É aguentar as birras de criança, e desculpar os inúmeros e previsíveis atrasos. É dar o braço a torcer naquelas brigas idiotas e sem sentido, e valorizar aquele ciúme bobo e desnecessário. Amar é criar carinho pelo imperfeito.

É aquela companhia que dorme no meio do filme, que cansa no meio da festa quando você quer dançar a noite inteira. É aquele pote de sorvete napolitano que ela exige e depois, sem sentido algum, vê-la comer apenas a parte do morango. É aquele gosto musical que nunca encaixa. Enfim, amar é aprender a lidar com as diferenças e as estranhezas.

É comprar uma rosa em um dia inesperado, um chocolate na TPM, levá-la pra jantar apenas porque sim ou pagar o cinema quando ela estiver sem grana, amar é gastar muito. É fazer questão de beijá-la, mesmo quando ela está com gripe, com febre, com dor de garganta, com o que for, amar é ficar doente em doses homeopáticas. É perder o show que você queria tanto assistir, por acompanhá-la aos eventos familiares, ou por qualquer outro motivo relevante. Amar é não ligar para os déficits.

Porque amar o perfeito é muito fácil, amar nas horas boas é sossego, amar quando há mil motivos é espontâneo. Só que amor mesmo é consertar o quebrado, substituir as peças juntos e se reconhecer ao longo do caminho.

Poderia dizer que amar é conhecer a melhor e a pior face da outra pessoa e mesmo assim, decidir ficar. Sim, decidir. Porque talvez o amor, acima de tudo, seja uma escolha.

COMPARTILHAR
Francisco Galarreta
"Empresário, 26 anos, peruano, mas gaúcho de coração. Meu fascínio é observar as pessoas e compreender os sentimentos alheios. Sofro de empatia crônica e sou adicto em criar emoções. Como resultado destas características, nascem inúmeros textos sobre amor, relacionamentos e outras variáveis."



6 COMENTÁRIOS

  1. Sempre acreditei que amor é uma escolha, pq a paixão é muito imediatista, é o agora, célere. O amor requer tempo, dedicação, muitas verdades, algumas incertezas. O amor pra ser verdadeiro precisa ser testado, até o limite das forças. Assim após os estágios necessários para sua confirmação. O ” eu te amo” é comprovado por suas atitudes ao longo da caminhada.

DEIXE UMA RESPOSTA