É preciso muita coragem para sentir e se permitir

Desde nova sempre tive muitos medos. Que iam desde bichos até ficar em algum lugar sem a presença de minha mãe. Até hoje alguns (muitos) me acompanham. Outros novos surgiram. E tantos outros já se foram.

Mas, de um tempo para cá, tenho me notado cada vez mais corajosa. Tenho notado que ando carregando uma coragem escassa nas pessoas. Eu carrego a coragem de ser transparente com o que sinto. Carrego a coragem de me entregar para os sentimentos bons que ousarem, por algum motivo, baterem à minha porta. Sempre abro. Sempre deixo eles fazerem morada por aqui. Não consigo lhes dizer não. São mais fortes do que. Para que tentar entrar nessa guerra de braço? A derrota seria feia!

Não é conversa fiada, mas as pessoas estão cada vez mais com medo de sentirem. Não as julgo. É mesmo muito difícil acreditar em algo ou alguém novamente depois de tantas rasteiras já terem sido tomadas. Por isso digo que é preciso coragem. É preciso muita coragem para dar a cara a bater. Para dar o coração a sentir e se permitir.

É preciso muita coragem para assumir que se é feito de carne, osso e sentimentos à flor da pele. Não é fácil. Não é qualquer um que consegue não se esconder em máscaras, em capas, em cascas. Não é fácil tirar toda a armadura e se permitir estar vulnerável sobre alguém. Sobre algo.

É preciso muita coragem para abrir a boca e dizer o que sente e sentir de coração tudo que é dito. E vou te falar, apesar dos riscos que se corre ao ter essa coragem, sempre é válida. Nunca é em vão. Independente do desfecho de cada situação. Porque, apesar dos pesares, é o sentir e a coragem de deixar que tudo se externe, que nos move. Que nos renova. Que nos liberta. Sempre!

COMPARTILHAR
Ana Luiza Santana
"Estudante de psicologia, nascida no Pernambuco, mas escolhida pela Bahia(amo). Intensa por naturalidade e louca por amor. Completamente apaixonada por abraços apertados, sorrisos e pessoas de aura leve e energia positiva."



DEIXE UMA RESPOSTA