Roupa feia não presta para dormir

Você provavelmente já disse ou pelo menos escutou alguém dizer: “Esta roupa é muito feia, vou usar só para dormir!”. Parece algo inofensivo, mas por trás disso pode haver uma falta de amor e respeito por si mesmo.

Roupa de dormir e roupa íntima são roupas que normalmente são vistas por nós mesmos e pelas pessoas mais próximas. Quem então se preocupa com a roupa que veste de dia, por cima, a roupa que todo mundo vê, mas não se preocupa com o que usa em sua intimidade deixa claro que se preocupa mais com a aparência do que com o próprio bem-estar.

Imagine aquela camisa velha, que você adora, mas que já está muito desbotada ou mesmo furada. Você então, ao invés de jogá-la fora, resolve usá-la para dormir. Isso é bom, pois você optou por “uma camisa de dormir” por gostar, você a segurou por lhe fazer bem, mudando somente sua função. Mas quando se faz isso com uma camisa por achá-la feia e indigna de ser vestida durante o dia, isso mostra que há algo de errado em sua relação com você mesmo.

Lembro-me de meu filho na adolescência, no auge de sua vaidade púbere. Ele ficava uma eternidade no banheiro cuidando dos cabelos e só queria vestir roupa “bonita” quando ia para a escola ou encontrar os amigos. Um dia, ele saiu do banheiro só de cueca e vi que ela estava rasgada. Além do mais, ele a tinha vestido pelo avesso – meu filho sempre foi um pouco distraído! Chamei-o e perguntei por que ele não vestia outra cueca, já que aquela estava muito feia. A resposta não me agradou: “Ah pai, a cueca só quem vê sou eu mesmo. Então não importa!”. Achei isso uma contradição diante da enorme vaidade que o acometia na época. Chamei-o para conversar e disse-lhe que precisava corrigir essa postura, pois ele deveria sempre tentar agradar primeiro a si mesmo e se preocupar menos com os outros. Roupa íntima (ou de dormir) mostra o zelo com o próprio corpo. Por sorte, ele entendeu e foi aos poucos transformando sua vaidade em mais carinho por si mesmo, dando mais importância ao que “só ele via”.

Acho que não é uma postura nada saudável passar um tempo enorme na frente do espelho, se arrumando e se empetecando para os outros, mas sair de casa então com uma cueca ou calcinha furada, ou passar o dia em terno e gravata, com sapato alto, com roupa de moda cara, mas ir para a cama, em um momento muito íntimo, sozinho ou acompanhado, vestido com algo que não gosta.

Agradar em primeiro lugar a si mesmo é muito importante, mesmo porque uma pessoa satisfeita em seu corpo (e em sua roupa!) e em paz consigo mesma termina agradando aos outros também, independente-mente da aparência. Penso que é uma questão de amor próprio e respeito por si mesmo.

COMPARTILHAR
Gustl Rosenkranz
Blogueiro brasileiro residente em Berlim.



2 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns pela postagem! Acredito que ando gostando muito de me mesmo, na verdade eu me amo! Engraçado um certo dia meu pai falou para eu lavar minha cueca no banheiro quando fosse tomar banho, e que ele só tinha duas cuecas, fui sincero com ele, falei que tinha e tenho mais de 15 cuecas box e só lavava roupa uma vez por semana, as cuecas eu lavava quando fosse lavar as roupas na maquina, e continuo fazer isso até hoje, ai vem minha mãe e fala da minha camisa velha do Guns que tenho a mais de 15 anos, que eu visto para sair pra rua, ela fala se for sair com ela, nem pensar! kkkk… Eu falei para ela que eu nem me importo com o que os outros vão falar, o que eu quero é está bem comigo mesmo! Mais tem dias que eu saiu para rolê parecendo gente, principalmente quando eu saiu com minha filha, não vou querer que as amigas dela chame o lindo do pai dela de maltrapilho! Beijos para você que leu e gostou do meu jeito de ser, abraço para quem não gostou! O importante é eu ser feliz.

DEIXE UMA RESPOSTA