Gentileza é a gente deixar o outro ser de carne e osso

Por Clara Baccarin

Gentileza gera gentileza.

Pois é, mas acho que ser gentil não é ser bem educado, ser gentil é ser bem humano.

Não é gentil quem age de mal grado com um sorriso no rosto, quem demonstra curiosidade por uma história enorme narrada por um amigo bocejando por dentro, quem responde uma mensagem na madrugada só por educação. Gentileza não é só tratar as pessoas com sorrisos e ‘sins’ e evitar conflitos e evitar desacordos. E esconder verdades quando estas forem duras de dizer. Gentileza é mostrar verdades com jeitinho, é dizer não, é mostrar falta de interesse, é fazer cara de cansaço e desanimo, é pedir licença e mostrar as cartas com delicadeza, é pedir pra sair. E tratar com cuidado a delicadeza do outro. A maior gentileza que alguém pode oferecer é a transparência. É a humildade de dizer a verdade. Ser gentil é perder o profissionalismo quando preciso e deixar transparecer o corpo e a mente cansados e pedir a gentileza dos outros para te dar espaço hoje para ser de carne e osso. Gentileza é a gente deixar o outro ser de carne e osso. Gentileza é calor humano. É uma alma esquentando a outra através do olhar. Sorrisos artificiais, comentários ensaiados, frases decoradas, preocupações encenadas não aliviam nada, não são gentis. A gentileza pode estar num olhar cansado, num afastamento na falta de sentimento, numa mão que não se deu, num passo atrás, numa ausência. A gentileza pode ser uma conversa curta, uma coragem de dizer não, a coragem de tocar em assuntos delicados. Ser gentil é tocar em assuntos delicados com delicadeza, ser gentil é machucar avisando que vai doer um pouquinho, é destruir sentimentos, mas de preferencia com um tiro só, certeiro, é desligar o aparelho de palavra doces e educadas que mantém vivo o amor no coração do outro. Ser gentil é matar. É deixar a dor do outro doer em paz. E já não querer ajudar a cicatrizar com preocupações robóticas que poderiam gerar suspiros falsos de vida. É desejar o bem e não mais voltar se é isso que se deseja por dentro. Ser gentil é conversar, é falar o que se pensa, o que se passa, do começo ao fim, e acima de tudo, ser gentil é saber ouvir. Ser gentil é ceder um pouco de tempo, um pouco de ouvido, um pouco de palavras, um pouco de ânimo. Ser gentil é sinalizar. É deixar-se conhecer. Gentileza é mostrar os terrenos para que o outro possa escolher se quer pisar.

Ser gentil é um agir antes que sentimentos ruins maiores se instaurem: raiva, rancor, tristeza profunda.

Se você for gentil de carne e osso, você não vai precisar aprender quando ceder o lugar no ônibus, como agir com o funcionário novo da empresa, como sorrir para um novo amigo, como se expressar sobre a comida um tanto estranha de sua nova sogra, como opinar sobre o cabelo novo de seu amigo. Se você for gentil de carne e osso você vai saber instintivamente como não ser insensato com corações. Quem é gentil de carne e osso é gentil mesmo quando ninguém está olhando, é gentil com as plantas de casa, é gentil consigo mesmo, no próprio pensamento que aprendeu a não se autojulgar, autosabotar e autopunir tanto e sabe cuidar das próprias dores sem raiva e sabe cultivar os amores sem ansiedade.

Gentileza gera gentileza porque calor humano gera calor humano.

Sejamos gentis de carne e osso!




DEIXE UMA RESPOSTA