Desejar é bom, mas chega uma hora em que é preciso somente agradecer

Título Original: Oito anos

Já passa da meia noite e portanto depois de amanhã é seu aniversário de oito anos. Ainda há pouco você veio ao nosso quarto se queixando da falta de sono; me impacientei porque a noite já ia alta, e agora sou eu que permaneço insone.

Fazem oito anos e passou tão depressa… Sábado você se divertiu ao lado de seus amigos na Caça ao Tesouro. E talvez tenha percebido que a busca é mais prazerosa que o encontro; a satisfação maior ocorre durante o trajeto e reconhecimento das pistas, a expectativa pela surpresa final. Do mesmo modo que outro dia você falou, enquanto construía um brinquedo Lego: “O gostoso é montar, né mamãe?” e percebi que você havia pegado o espírito da coisa.
Assim será por toda a vida, meu menino. A busca tem a sua parcela de alegria, e quanto mais nos frustramos nessa jornada, mais valorizamos nosso desejo por aquilo que buscamos. Por isso torna-se tão necessário descobrir o que é importante pra você.

Uma hora talvez você descubra que os melhores tesouros são os mais difíceis de serem encontrados.

Lembre-se disso quando sentir seu coração bater mais forte por alguém. Preserve-se, não vá com tanta sede ao pote. Caminhe sem pressa e valorize sua essência. Porém, quando chegar a hora, partilhe sua vida e alegre-se por ter chegado ao cume da montanha. Reconhecer suas dádivas é primordial para viver uma vida satisfatória.

Deixe sua imaginação voar, te levar por caminhos desconhecidos, te refugiar nos momentos difíceis. Mas aprenda a reconhecer suas frustrações, para que descubra quais são seus desejos também. Ainda estou engatinhando nesse terreno, mas devagar venço minhas resistências e quem sabe me torno uma mãe mais leve pra você também…

Um dia você vai descobrir que adultos não têm tantas convicções quanto parece. Ao contrário, se desejamos evoluir, muitas vezes patinamos nas incertezas de nossos conceitos e verdades, que nunca foram absolutos. Aprendo muito com você, principalmente quando insiste, coisa que nunca fui capaz de fazer. No fundo, no fundo, achava que lidava bem com minhas frustrações mas era só um jeito diferente de negá-las. Sim, meu menino, sou como essas crianças que não podem ter a mochila da moda e, em vez de se entristecerem com a impossibilidade, optam por agir com desdém. Mas leva tempo pra gente descobrir os próprios mecanismos, e estou percebendo isso só agora, junto com os primeiros cabelos brancos e rugas de expressão.

Você não vai esperar tanto. Pois sabe o que deseja, e luta _ nossa, como luta!_ para conseguir. Mas certamente virão outros mecanismos_ de defesa ou proteção_ que lhe farão seguir por caminhos igualmente difíceis, pra só depois, lá na frente, perceber que poderia ter tomado a estrada mais simples. Mas não liga não, é isso que faz a gente crescer.

E você está crescendo tão rápido… A gente abre os álbuns e se depara com tanta alegria, tantos momentos bons e inesquecíveis, que só temos que agradecer a Deus pelo presente da sua vida, sua saúde, sua presença cheia de mistérios e vivacidade.

Faltou tempo para estrearmos o skate, a vida anda tão corrida e as lições da escola triplicaram de um ano pro outro. Assim você irá perceber o tempo. Ele nos engole sem pedir licença, e estabelecer nossas prioridades torna-se fundamental para aquilo que hoje chamamos Qualidade de Vida. Se esforce para dividir bem suas horas, e, acredite em mim, priorize suas relações. É isso o que permanece _ o som das vozes quando as luzes se apagam, o cheiro do perfume conhecido, as mãos que nos cobrem delicadamente ao cair da noite, as viagens onde o sol é mais dourado, a chuva mais divertida, o frio mais acolhedor; a disposição para andar na ponta dos pés enquanto os adultos dormem e a casa é só nossa; as noites do pijama acampando no chão do quarto com os primos; as histórias de terror inventadas por esses mesmos primos na hora de dormir; a simplicidade de nossas rotinas _ essas que um dia serão só lembranças de uma casa com desenhos espalhados pela porta da geladeira e exibições do Pokémon ao meio dia.

A gente cresce e vive de saudades também. Mas isso pode ser tão penoso… como se somente o que passou tivesse vocação de felicidade. Por isso, não viva de buscar tesouros. Preserve o que é seu para não se frustrar em demasia. Desejar é bom, nos mantém alertas e vivos, mas chega uma hora em que é preciso somente agradecer. Mesmo sem saber rezar, não tenha pudores em dobrar os joelhos e dizer obrigado. Na vida saímos esfolados vezes demais, mas o saldo é sempre positivo. Só tenha paciência de esperar, pois mesmo sendo difícil, há beleza. Mesmo machucando, há prazer. Mesmo frustrando, há satisfação.

Parabéns pelos oito anos… Amo você, de um jeito que só as mães conseguem sentir e compreender…

COMPARTILHAR
Fabíola Simões
Nasceu no sul de Minas, onde cresceu e aprendeu a se conhecer através da escrita. Formada em Odontologia, atualmente vive em Campinas com o marido e o filho. Dentista, mãe e também blogueira, divide seu tempo entre trabalhar num Centro de Saúde, andar de skate com Bernardo, tomar vinho com Luiz, bater papo com sua mãe e, entre um café e outro, escrever no blog. Em 2015 publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos os Afetos" e se prepara para novos desafios. O que vem por aí? Descubra favoritando o blog e seguindo nas outras redes sociais.



5 COMENTÁRIOS

  1. Por que você é Flamengo
    E meu pai Botafogo
    O que significa
    "Impávido Colosso"?
    Por que os ossos doem
    Enquanto a gente dorme
    Por que os dentes caem
    Por onde os filhos saem

    Por que os dedos murcham
    Quando estou no banho
    Por que as ruas enchem
    Quando está chovendo
    Quanto é mil trilhões
    Vezes infinito
    Quem é Jesus Cristo
    Onde estão meus primos

    Well, well, well
    Gabriel…
    Well, well, well
    Well

    Por que o fogo queima
    Por que a lua é branca
    Por que a Terra roda
    Por que deitar agora
    Por que as cobras matam
    Por que o vidro embaça
    Por que você se pinta
    Por que o tempo passa

    Por que que a gente espirra
    Por que as unhas crescem
    Por que o sangue corre
    Por que que a gente morre
    Do qué é feita a nuvem
    Do qué é feita a neve
    Como é que se escreve
    Reveillón

  2. O máximo…as suas palavras descrevem o que sinto neste momento! Um misto de sentimentos, saudades, aprendizado, alegria, algumas frustrações…mas com o saldo positivo sem dúvida. Os 09 anos da minha pequena se aproxima e vê-la crescer e poder acompanhá-la de perto…foi a Qualidade de Vida que busquei e encontrei…estou amando os seus textos?!

DEIXE UMA RESPOSTA