O dia a dia está cheio de situações que podem levar a conflitos.

Todos nós temos a liberdade de escolher quais situações de conflito responderemos. Às vezes, “compramos a briga” porque parece justo ou razoável. Outras vezes deixamos passar porque não vale a pena gastar energia em algo sem grande importância.

“O homem é descoberto quando medido com um obstáculo.” -Antoine de Saint-Éxupery-

No entanto, existem pessoas que não conseguem fazer essa escolha. Ou melhor, eles escolhem antecipadamente desistir de qualquer situação que envolva confrontar outro. Eles não apenas escapam dos debates, mas também reivindicam, exigem ou realizam qualquer conduta que envolva um conflito direto. O que está neles é mais que medo. O que eles experimentam é um sentimento de desamparo que vai além do razoável.

Às vezes eles nem estão conscientes do medo. Eles simplesmente dizem que preferem ficar em paz e não ter raiva de ninguém. Se eles trabalham em grupo, por exemplo, e um dos membros da equipe descaradamente não faz a sua parte, essas pessoas assumirão a tarefa que o outro deixou para fazer apenas para evitar uma disputa. Eles farão o trabalho que não lhes pertence, tudo para não entrar em conflito uns com os outros.

A estratégia de evitar conflitos

Evitar o conflito é uma estratégia válida, desde que evite um mal maior. Se você sabe que o outro é absolutamente inflexível em algum assunto, vale a pena contestá-lo. Ou se uma regra que você não gosta está em vigor, mas você foi avisado de que ela é imutável, você tem pouco desejo de começar um confronto.

No entanto, existem muitos outros casos em que o que está em jogo é algo muito mais relevante. Seus direitos, por exemplo. Ou a sua dignidade ou o respeito que você merece. Nesses casos, você perde muito mais ao não iniciar um conflito do que ao evitá-lo. Conscientemente, você sabe que uma injustiça está sendo cometida, algo ilegal está sendo feito, ou um ato de denegrir está sendo permitido. Mesmo assim, algumas pessoas ficam caladas e fingem continuar como se nada tivesse acontecido.

As consequências são sérias, não só porque se admite um ato ofensivo, mas também porque afeta o equilíbrio emocional. Por mais que alguém tente seguir seu caminho, sem dar importância à injustiça cometida contra ele, alguma coisa dentro dele irá reivindicar. Isso resultará em frustração, desconforto, intolerância, angústia ou talvez uma doença física.

Por outro lado, esses tipos de atitudes alimentam e nutrem relacionamentos sociais perversos. Hoje você solta, mas amanhã isso não pára. Quem abusa, não vai parar porque o outro não oferece resistência. Pelo contrário: você sentirá que tem o campo livre para promover sua lógica. Evitar conflitos não significa resolvê-los. Não fique ao redor deles.

A evitação aprendida

Acredita-se falsamente que reter, reprimir ou calar são respostas válidas e até mesmo desejáveis. A criança não nasce reprimindo. O bebê faz tudo menos reprimir. É o seu ambiente que o ensina a fazê-lo, porque, em suma, ele exerce mais controle sobre ele.

Aqueles que evitam conflitos não recebem mais paz ou tranquilidade em troca. O que eles fazem é “durar” e “acumular”. O que geralmente acontece é que o vaso é enchido até que seja transbordado por uma causa mínima. É quando aquele que estava sempre em silêncio explode e deixa os que o rodeiam aterrorizados. Às vezes, essas explosões, depois de um longo confinamento, podem ter conseqüências muito sérias.

Fechando-se diante das injustiças que você tem, em primeiro lugar, para destruir sua auto-estima. Sem perceber, você alimenta a ideia de que está desamparado diante de todas as circunstâncias. E toda vez que você se sente menos capaz de tudo. Você também machucou seu corpo. Aqueles que são excessivamente contidos são muito propensos a desenvolver gastrite, úlceras, problemas musculares e doenças autoimunes.

O conflito relevante nunca deve ser evitado. Nem é saudável ir ao outro extremo e reagir numa atitude de confronto ao menor problema. Existem maneiras de contornar, processar e resolver conflitos. Assim como você aprende a evitá-los, você também pode aprender a gerenciá-los. De fato, o conflito é positivo porque permite crescer, amadurecer e conquistar a independência. Além disso, aqueles que olham para o conflito de frente são geralmente pessoas mais satisfeitas e felizes.

Fonte indicada: lamenteesmaravillosa
Imagem de capa: Pexels

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here