No mundo das aparências, a essência está perdida. Quanto mais nos preocupamos em aparentar, mais nos afastamos do nosso verdadeiro “eu”. Quanto mais nos construímos por fora, mais o nosso interior desmorona. E tudo isso a tal ponto de que essa imagem aparentemente ideal pode acabar anulando nossa identidade, tornando-nos carcereiros de nós mesmos.

As redes sociais são o melhor exemplo disso, pois se tornaram a vitrine onde projetamos uma vida aparentemente perfeita. Apesar de poucos, já existem vozes dissidentes, como a do influente australiano Essena O’Neill que, com mais de meio milhão de seguidores, centenas de fotos perfeitas e milhares de euros em lucros, deixou o Instagram dizendo: “Esta não é uma vida Sincero, nem grande nem inspirador. É a perfeição artificial feita para atrair a atenção. ”

No entanto, muitos não percebem que a validação que recebem das redes sociais é baseada apenas em métricas fabricadas para confundir atenção com carinho e vaidade inflada com valor real.

Embora a verdade seja que a tendência de viver para aparecer não emergiu nas redes sociais – estas só têm sido um orador -, mas tem raízes muito mais profundas, baseadas na necessidade de aprovação social para reafirmar um status, mesmo que seja ilusório e é construído em um castelo de cartas. Pessoas com o complexo Eróstrato – aqueles que buscam fama ou notoriedade, independentemente da mídia – sempre existiram e continuarão a existir. Mas se quisermos imitá-los, nos condenaremos a viver uma vida vazia e sem sentido.

Diga-me o que você presume e eu lhe direi o que lhe falta

A ânsia de destacar certas características ou posses socialmente atraentes ou positivas esconde uma profunda insegurança pessoal. É provável que, no fundo, pensemos que não somos interessantes, inteligentes, atraentes ou bem sucedidos o suficiente para chamar a atenção para nós mesmos e precisamos exagerar ou até mesmo inventar certas coisas para obter aprovação social.

Essa necessidade de demonstrar constantemente nosso valor, felicidade ou inteligência esconde um mecanismo de compensação: tentamos equilibrar nossa insegurança desempenhando o papel de uma pessoa segura.

Compensação, um mecanismo psicológico proposto por Alfred Adler relacionado a sentimentos de inferioridade, é uma estratégia através da qual encobrimos – de uma forma consciente ou inconsciente – aquelas fraquezas, frustrações, desejos ou incompetências em busca de sucessos, reais ou imaginários, que possam equilibrar o saldo ou incliná-lo a nosso favor.

No entanto, a compensação geralmente não resolve o problema subjacente. Publicar fotos sorridentes em redes sociais não nos fará sentir melhor e mostrar como nossa casa é grande não fará com que a sensação de solidão desapareça. Na realidade, a compensação geralmente reforça o complexo de inferioridade, desencadeando um mecanismo altamente tóxico para nosso equilíbrio mental.

Vivendo para fingir: a armadilha da sociedade moderna

A sociedade não facilita o desenvolvimento de um “eu” seguro, autodeterminado e autêntico. Ao criar uma falsa correlação entre quem somos e nossos bens “a plenitude do prazer do consumidor se torna sinônimo da plenitude da vida. Eu compro, então eu sou. Compre ou não compre, essa é a questão ”, escreveu Zygmun Bauman. O problema é que “para os consumidores deficientes, aqueles desapossados ​​de nossos dias, não comprar é o estigma discordante e purulento de uma vida não realizada (e sua própria insignificância e inutilidade)”, acrescentou.

A mudança de foco, do interno para o externo, do que você é para o que você tem, gera grande pressão para consumir, ser feliz e bem sucedido que acaba “quebrando” as personalidades mais vulneráveis, para que essas pessoas praticamente eles se sentem obrigados a construir uma vida que pareça boa do lado de fora, projetar a imagem esperada deles.

Essa pressão não fala sobre seus problemas reais, que continuam a crescer por trás de uma fachada perfeita. E, ao não procurar ajuda, eles caem ainda mais no buraco da frustração. Assim, eles estão presos em um círculo vicioso no qual, quanto mais tentam aparecer, menos trabalham para resolver os problemas que estão causando esse desconforto. Eles vivem evitando o problema real, concentrando-se em coisas inconsequentes que fornecem nada mais do que uma descarga de adrenalina efêmera que é confundida com a felicidade.

Curiosamente, a sociedade em que vivemos que dá origem a esses comportamentos disfuncionais não pode sequer ser chamada de materialista. “Não é correto, muito menos, dizer que a civilização moderna é materialista, se entendermos como materialista a pessoa que ama a matéria. O cérebro moderno não ama matérias, mas medidas, não sólidos, mas superfícies. Beba pela porcentagem de álcool e não pelo “corpo” e pelo gosto do líquido. Construa para oferecer uma fachada, em vez de proporcionar um espaço para viver”, escreveu Alan Watts.

Na realidade, estamos vivendo na era do perfeccionismo a todo custo, do culto do contêiner, esquecendo o conteúdo, que gera expectativas muito altas e muitas vezes irreais, sobre nós e o resto das pessoas, criando um ambiente tóxico para nosso bem-estar emocional.

Não devemos esquecer que, ao criar uma hierarquia social, é muito simples reforçar os modelos culturais de perfeição e sucesso. E à medida que um modelo cultural de perfeição ou sucesso é reforçado, nosso estado de ansiedade aumenta porque nos sentimos deficientes ou inferiores. Alguém está sempre à nossa frente, o que inevitavelmente leva a comparações. E isso nos leva a continuar alimentando a “besta”, com a secreta esperança de que finalmente seremos capazes de viver com uma falsa sensação de felicidade e sucesso, por mais ilusório e efêmero que seja.

É um mecanismo terrível que nos condena a viver uma vida vazia, na qual não construímos o que realmente queremos, mas o que acreditamos parecerá bom e que outros aplaudirão ou olharão com inveja disfarçada. É por isso que precisamos urgentemente mudar o foco e construir uma vida que nos faça sentir bem por dentro, não um que pareça perfeito do lado de fora. Porque a vida não tem que ser perfeita, só tem que ser maravilhosa para você. E isso é o suficiente.

Texto extraído e editado do site Rincón Psicología / Imagem: Reprodução Pexels

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here