O cinema tem um enorme valor como arte, mas isso se multiplica quando, além do background dos filmes ele também salva uma ou várias mensagens valiosas. Muitas vezes dizemos que um filme é bom ou ruim dependendo de como ele conta o que pretende transmitir, no entanto, na retina do espectador, a mensagem permanece nessa forma de encená-lo.

É por isso que vamos recomendar uma série de filmes que conscientizem. São filmes que se encaixam em nós pelo modo de contar, mas, acima de tudo, pelo histórico, de modo que, quando os assistimos, ficam em nosso paladar o gosto do aprendizado e as razões da reflexão e do crescer emocionalmente.

4 meses, 3 semanas e 2 dias

De certa forma e nos últimos anos havia uma população de cinéfilos órfãos. O cinema que se chamava realista tornou-se uma maneira de refletir a vaidade do diretor no dever e a transgressão tinha sido associada ao verdadeiramente vulgar.

Inspirados em obras como as de Passolini, alguns queriam retratar a violência, esquecendo que a arte sempre mantém alguma ideia ou pelo menos tenta transmitir algo significativo que apele às nossas percepções adormecidas.

«Escandalizar é um direito, pois escandalizar-se é um prazer, enquanto quem rejeita o prazer de escandalizar-se é moralista» -Pier Paolo Passolini-

O caso de “4 meses, 3 semanas e 2 dias” é radicalmente o oposto, já que Cristian Mungiu não pretende fazer do filme parte de seu retrato. É uma realidade tão pura que nos mostra que ninguém é feliz, já que às vezes nunca lança conclusões ou esperanças válidas. Ele não tem a menor intenção de fazer arte e como ele faz o melhor cinema.

O que é isso? A interpretação é o que muda na análise subsequente do espectador. Portanto, você verá um filme que diz “feio”, bastante perturbador, mas não de todo pretensioso. Não é feito para aqueles que são contra o aborto, aqueles que são a favor do direito de escolher, mulheres que fazem isso sem dar importância ou para aqueles que enfrentam um momento difícil que levará tempo para se integrar emocionalmente. Não é feito para ninguém e é feito para todos.

O diretor passa absolutamente de qualquer posição moral, nos dá realidade e nós a interpretamos. Pode parecer um caso extremo, estranho, repelente, pouco frequente, pouco focalizado ou detalhes desnecessariamente difíceis.

Não importa o que pensamos, porque, independentemente da nossa posição, vamos nos tornar conscientes, ou seja, por que você derrota. Minha conclusão foi: quantos “médicos do bebê” votamos e elogiamos? Cada um que elabora os deles, a nova onda do cinema romeno é muito mais do que cinema e precisa que o espectador também “participe”.

Hotel Ruanda

Ninguém sabe realmente até que ponto a colonização e os efeitos nocivos dela podem ser vistos em uma região. A colonização violenta perpetua até mesmo os ossos do país que são “tomados” para desmembrá-lo e nunca devolvê-lo à sua realidade inicial.

A guerra civil em Ruanda será lembrada como um conflito armado que degenerou em um genuíno genocídio dos tutsis pelos hutus. O filme reflete o fim de um confronto muito longo em que a colonização européia pela Alemanha e, posteriormente, pela Bélgica, desempenhou um papel decisivo no agravamento irreversível dos conflitos entre os dois grupos.

Os belgas apoiaram o uso de uma carta étnica em 1934 que deu aos tutsis um status social mais elevado e melhores posições em toda a administração. De alguma forma, com este instrumento eles marcaram diferenças sociais que não existiam antes ou existiam de uma forma muito mais difusa.

Ambos os grupos passaram a ser vistos como verdadeiros “demônios” e as torturas e aborrecimentos tornaram-se realmente cruéis, protegidos pela ideia de que eles eram seres humanos diferentes. Algo semelhante ao que aconteceu na Alemanha nazista com os judeus.

O ódio hutu de tudo o que era tutsi foi, portanto, consolidado e promovido pela colonização belga. Algo que nos convida a refletir sobre como todas as apreensões ilegais ou ocupações de territórios têm sérias conseqüências para a população dos países que as sofrem. Assim, a reparação por organizações internacionais é uma obrigação em todos esses casos.

Brokeback Mountain

Imagine que um dia de manhã você acorda e não pode amar como realmente se sente uma pessoa. Esse amor nunca esse amor vai alterar a vida dos outros, muito pelo contrário, para ser vivido com intensidade e liberdade vai abrir portas e construir novas e mais abertas realidades.

Seria um bom exercício de imaginação e em muitos lugares do mundo isso já é uma realidade, apesar das convenções e posições individuais. Em outros lugares esse amor pode causar o repúdio de toda uma sociedade, exclusão ou até mesmo a sentença de morte. A razão? Amar a si mesmo tendo os mesmos genitais externos.

Neste filme de Ang Lee, temos a prova de que o amor excita, estremece e anseia quando é verdade, é sentido por quem é sentido. O ódio é baseado na ignorância, que em muitos casos vem da falta de tolerância.

Para erradicar essa falha, só é possível lutar contra aqueles que acreditam ter o direito de julgar as preferências dos outros. A consequência de ignorar esses tipos de atitudes é um sofrimento desnecessário por parte das pessoas que apenas preferem ou desejam.

Seria o caso da mulher interpretada por Michelle Williams, traída por um marido que não tinha outro meio senão viajar pelo caminho socialmente aceito para poder permanecer em segurança, embora com seus sentimentos amputados.

Esta é apenas uma amostra de três filmes que nos fazem perguntas. Perguntas que não têm uma resposta simples porque aludem a forças e sentimentos mistos. Será você, como cidadão deste lugar chamado mundo, que escolhe sua própria escolha.

Lista extraída e adaptada do site La Mente es Maravillosa / Imagem de capa: Reprodução Hotel Ruanda

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here