Foi Eurípides que disse uma vez que o que se espera não acontece porque é o inesperado que acontece, o que pode realmente mudar nossas vidas. No entanto, deixando espaço para o imprevisto, pois o que está além do nosso controle requer, antes de mais nada, um coração receptivo e uma mente aberta, porque só então poderemos alcançar aquelas oportunidades maravilhosas com as quais “avançar”.

Algo que nos é frequentemente dito por sociólogos ou mesmo por pesquisadores econômicos, como o conhecido ensaísta Nassim Nicholas Taleb, é que as pessoas agem como se pudéssemos prever o que acontecerá amanhã, no passado e até na próxima semana. Nossa ignorância plácida ou melhor, nossa necessidade exagerada de pensar que temos tudo sob controle, muitas vezes não sabemos como reagir quando, de repente, acontece algo que não esperávamos.

Esse comportamento ou essa necessidade primária é explicada por um princípio muito simples: nosso cérebro precisa sentir que tudo está sob controle. Ele não se importa que não estamos felizes, ele só quer que “sobrevivamos”. Assim, tudo o que entra na fronteira do imprevisto ou na região do inesperado, irá interpretá-lo como uma ameaça ou como o eco de um batalhão que iça uma bandeira muito concreta: a do perigo.

De fato, uma realidade muito concreta que deve ser destacada é que as pessoas que experimentam mais medos, mais inseguranças e vazios se escondem, muitas vezes desenvolvem uma necessidade maior de controle sobre si mesmas e sobre os outros. Qualquer pessoa controladora, qualquer um que pretenda controlar o incontrolável e não deixar um único espaço ou lâmina para o inesperado ou improviso, está irremediavelmente condenado ao abismo da insatisfação e da infelicidade.

Aprendendo com as crianças: grandes amantes do inesperado

Basta mostrar a um bebê algo inesperado para chamar sua atenção no momento. Sua aparência é fascinada pelo segundo por tudo que sai do comum, algo que traz cores brilhantes e que desafia a lógica ou a gravidade.

Eles possuem uma capacidade natural e instintiva de abraçar tudo imprevisível e surpreendente em seus ambientes. No entanto, nós – com nossos óculos adultos e nossos filtros racionais – perdemos essa capacidade que estimula tanto o aprendizado.

De fato, como explicado por um estudo realizado na Universidade Johns Hopkins pela psicóloga Aimée Stahl, bebês entre 9 e 11 meses sentem predileção por todos aqueles estímulos que aparentemente escapam à lógica. Para demonstrar isso, um experimento curioso foi realizado com um grupo de bebês, onde dois tipos de brinquedos foram apresentados: um que parecia atravessar as paredes (por um efeito óptico) e outro que simplesmente saltou contra eles e depois caiu no chão.

Por incrível que pareça, os bebês estavam mais interessados ​​em quem parecia perceber algo impossível: atravessar a parede. Os especialistas concluíram com esses testes que as crianças mais novas são programadas para observar o inesperado. No entanto, à medida que crescemos, todo o inesperado é muitas vezes interpretado como algo além do nosso controle e, portanto, pode ser perigoso …

Quando as pessoas são apanhadas em uma nova situação e diante das quais não temos planos pré-fabricados, geralmente experimentamos angústia e estresse. Em vez de ficarmos presos no arame farpado do medo, vamos nos permitir ser crianças de vez em quando, abraçando todas as coisas positivas que as coisas inesperadas podem nos trazer…

Deixe um canto para o inesperado em sua vida

Fazê-lo, deixando entreaberta a porta do seu coração para novos operadores, alegre e brisas indisciplinados de tempos em tempos: que com certeza não te machucar. Permita-se um cantinho em sua vida para o imprevisível, o que você não espera e que está fora da agenda, longe, longe, mesmo de seus próprios objetivos. Porque o reino do inesperado pode ser mais rentável do que se pensa, de fato, grandes exploradores descobriram continentes inteiros sob os desígnios do acaso, e muitas figuras de renome nos deram suas melhores contribuições sob a influência de serendipities.

Steve Jobs disse certa vez em uma conferência para estudantes recém-graduados na Stanford University que a vida nada mais é do que aprender a “conectar pontos”. Muitas dessas coisas inesperadas que nos acontecem durante toda a nossa existência adquirem um significado autêntico quando as vemos em perspectiva.

Por exemplo, você pode trabalhar, temos agora não é satisfatório, mas ter feito uma boa amizade que por sua vez nos começou em um hobby que amamos, que nos enriquece emocionalmente e intelectualmente ao ponto de querer dedicar-nos a ele de maneira profissional Nós fazemos isso e, ao montar nosso próprio negócio, também conhecemos o amor da nossa vida.

Quando vemos que uma coisa pode nos levar a outra, saltamos de pedra em pedra neste rio imparável de nossa existência quase sem perceber. No entanto, para apreciar a beleza e a oportunidade de cada um desses pontos, devemos ser receptivos a essa estrutura mágica que o destino se desdobra todos os dias antes de nós. E devemos fazê-lo através de uma atitude aberta e positiva, porque quem espera o inesperado com a mente disposta abre mais oportunidades para a felicidade.

Via lamenteesmaravillosa
Imagem de capa: pexels

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here