Você se sente perdido? Você não sabe o que fazer com sua vida? Há pessoas que em um determinado momento sentem que a direção que estão tomando é totalmente sem sentido. Na verdade, nenhum caminho para o qual eles possam escolher parece tê-lo e eles se desesperam em suas incontáveis ​​tentativas que não conseguem alcançar uma mudança que afaste essa sensação. Não há futuro, não há metas ou objetivos. Eles estão perdidos.

Todos, em algum momento nós fomos essas pessoas, nos sentimos como se estivéssemos em um impasse. É uma situação em que detectamos, ao mesmo tempo, um grande vazio interior: nada fora, pouco dentro. No entanto, embora persistamos em ver a culpa em todos os lugares, a verdade é que, nesse ponto, chegamos e entramos nela.

Apesar de não querermos reconhecê-lo, tudo o que fizemos até o momento – nossas decisões, nossas rejeições, nosso modo de vida – nos levou a trilhar esse caminho que parece não ter saída.

Uma oportunidade para se readaptar a você

Quando você não sabe o que fazer com a sua vida, quando você chegou àquele ponto onde você não pode encontrar uma saída, não importa a angústia, a ansiedade, o desejo que você tem de sair dali. Nada disso funcionará no momento. Há algo que você tem que fazer: voltar a ficar consigo mesmo.

Em que ponto você se concentrou nos outros e se esqueceu de si mesmo? Quando você parou de se perguntar o que você realmente quer fazer? Desde quando o que fazer com a sua vida se tornou a última prioridade? O modo de vida nos impele a colocar o piloto automático para agir como se fôssemos robôs, evitando ter consciência do momento presente.

Agora que você está nesse beco sem saída, onde você não sabe o que fazer com sua vida, pare. É o momento perfeito para você estar consciente de si mesmo e do que está ao seu redor. Então você pode se reconectar com o mundo e também com você mesmo.

Seus desejos, seus desejos, o que realmente motiva você estará presente para apontar todos os objetivos que você tem, mas que por um longo tempo você não quis ver porque você se desviou do caminho. Você acha que não há saída, quando a solução está dentro de você. A motivação nasce de si mesmo, mas para isso você precisa saber o que quer.

Dentro de você sabe qual é o caminho certo. No entanto, o tempo que você passou vivendo no piloto automático diminuiu seus instintos, fazendo com que você se sinta perdido agora.

É verdade que no início a reação quando você não sabe o que fazer é girar, chutar, tentar correr em todas as direções como se você fosse um cavalo fugitivo. No entanto, você tem que chegar ao ponto em que você percebe que deve parar para estar ciente de todas as opções acima.

Se você não sabe o que fazer com sua vida, comece a aceitar a realidade

Este é um passo muito importante para poder beneficiar de tudo o que foi dito antes. No entanto, também é provável que você perceba que aceitar a realidade foi o que fez você entrar nesse beco sem saída.

Nós geralmente vivemos com expectativas diferentes sobre como as coisas têm que acontecer. Termino a corrida, acho um emprego, depois o amor da minha vida com quem vou ter filhos e vou viver muito feliz. Parece perfeito, certo? O ideal a que muitas pessoas aspiram. No entanto … e se tudo der errado?

As expectativas que você pode ter não garantem que as estações que você vai encontrar serão aquelas. Muito provavelmente, surgem problemas, dificuldades e adversidades que o deixam frustrado, irritado e você se recusa a aceitar que muitas vezes o que acontece não atende às suas expectativas.

Quando chegamos a um ponto de grande indecisão, pode ser hora de consultar um profissional. Com ele descobriremos se o que ele toca é voltar a localizar a travessia em que perdemos ou se ao contrário a solução está em buscar mais alternativas para avançar na mesma travessia em que estagnamos. Muitas vezes, que acabamos escolhendo uma ou outra opção dependerá do preço que estamos dispostos a pagar por tentar atingir um objetivo ou outro.

Há momentos mais favoráveis ​​do que outros para experimentarmos essa crise existencial. Talvez o primeiro seja quando nos tornamos adultos: temos que escolher o que queremos nos dedicar e como queremos que nossa vida seja. O segundo surge na idade madura, aos 40 anos, com uma crise conhecida por todos em que um estágio é deixado para começar outro.

Expectativas, ocasionalmente, nos impedem de sermos flexíveis com os problemas e dificuldades que possam surgir.

Em muitos momentos de mudança, nos quais passamos de um estágio para outro, podemos nos sentir perdidos. Algo que é natural e que, em princípio, não precisa nos assustar. No entanto, se isso acontecer, devemos evitar que o sentimento de inquietação leve ao abandono. Os momentos de mudança também são momentos de inteligência e paciência, de decidir com a cabeça, mas também de levar a opção escolhida com segurança. Nós escolhemos o que escolhemos, não haverá escassez de pessoas que nos dizem que estamos errados.

Se você está indo para trás ou procurando outras alternativas, cada situação tem uma saída. Às vezes lógico e previsível, outro surpreendente, aleatório e enigmático. Pela primeira coisa vale a pena trabalhar, mas pelo segundo, como dissemos antes, não nos deixando superar pela inquietação: a banda mais opaca diante das oportunidades.

Texto de Raquel Lemos Rodríguez via lamenteesmaravillosa
Imagem de capa: pexels

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here