Adaptado por Pensar Contemporâneo, de Etapa Infantil

Alguns pais brincam com seus bebês levantando-os nos braços e jogando-os para o ar, e não há dúvida de que as crianças realmente se divertem. No entanto, este jogo que parece inofensivo pode ser muito perigoso para as crianças e pode até pôr em perigo as suas vidas. Na verdade, é uma das causas da síndrome do bebê sacudido, um problema frequente com 20 a 25 casos para cada 100.000 crianças menores de 2 anos em todo o mundo.

A síndrome do bebê sacudido: uma conseqüência perigosa de jogar as crianças no ar

A maioria dos pais associa a síndrome do bebê sacudido a maus-tratos infantis. No entanto, a verdade é que, em muitos casos, essa síndrome pode ter outras causas: o simples ato de brincar com as crianças para jogá-las no ar pode ser uma delas. Em geral, o risco é muito maior durante o primeiro ano de vida da criança.

O que acontece é que os cérebros dos bebês são imaturos e frágeis, o que faz com que eles sejam lesionados com muita facilidade. Dessa forma, quando os pequenos são lançados ao ar, a cabeça oscila, o pescoço, que ainda é muito instável, se move com maior brusquidão e o cérebro atinge as paredes do crânio, um fenômeno que na medicina é conhecido como concussão cerebral.

Obviamente, o fato de o cérebro atingir as paredes do crânio é muito perigoso. No caso menor, lesões focais podem aparecer devido a danos a uma certa área do cérebro, mas danos mais generalizados ou até um derrame podem ocorrer como resultado da ruptura dos vasos sanguíneos que suprem o cérebro.

O pescoço e a coluna também podem sofrer alterações em consequência do movimento abrupto da cabeça enquanto “voa” pelo ar. O problema é que os ossos dos bebês ainda não estão fortes o suficiente e sua espinha ainda é muito instável para resistir a tais violentos puxões.

Como identificar que uma criança sofreu uma desordem cerebral depois de ser jogada no ar?
Às vezes é difícil reconhecer os sinais de uma desordem cerebral como resultado de ter jogado as crianças para o ar. Na maioria dos casos, as crianças tendem a ser mais irritáveis do que o normal e choram de forma inconsolável, o que indica que algo não está certo. No entanto, outras vezes, os sintomas podem ser mais graves e podem aparecer:

• Mudanças no comportamento

• Letargia e mais sono do que o habitual, sem ser devido a outra causa

• Diminuição do estado de alerta

• Falta de apetite

• Perda de consciência

• Rigidez e tremores

• Perda de visão ou audição

• Pele pálida ou azulada

• Vômito

• Convulsões

• Parada respiratória

As complicações mais comuns

Vale ressaltar que, na maioria dos casos, brincar de jogar crianças ao alto não tem grandes complicações, mas há momentos em que há um alto risco de desenvolver um distúrbio cerebral. Por exemplo, danos na retina podem causar cegueira permanente em bebês, enquanto um envolvimento na área motora cerebral pode causar lesões na medula espinhal ou distúrbios motores específicos ou generalizados.

Em alguns casos, as crianças também podem desenvolver epilepsia e algumas vezes apresentam algum tipo de deficiência neurológica ou cognitiva, como retardo mental, distúrbios de linguagem ou paralisia cerebral. No pior dos casos, essa brincadeira pode causar a morte.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here