Chernobyl se tornou o sucesso da temporada. A minissérie recupera o mais grave desastre nuclear da história e questiona novamente algumas das decisões que tomaram esses dias fatídicos.

Sua transcendência tem sido tal que, inevitavelmente, pensamos em nosso presente e nas conseqüências que poderiam advir de uma catástrofe ambiental causada pelo homem.

Quem é responsável? Quem são as vítimas? Chernobyl nos submerge no horror que foi experimentado como resultado daquele já distante 26 de abril de 1986, embora as conseqüências ainda sejam palpáveis.

Uma cidade fantasma, milhares de vidas desfeitas e um governo cuja principal prioridade era permanecer em silêncio. Este quadro político e trágico é o que nos dá Chernobyl, uma história de heróis, mas também de erros e silêncios.

Sequelas de uma catástrofe

Embora o título do nosso artigo não é muito encorajador, a verdade é que havia homens que eram essenciais para o desastre não era maior, heróis autênticos que a série tentou honrar. A tragédia, que já estava meio enterrada no passado, ressurgiu de suas cinzas e agora está na boca de todos.

Todos sabemos, em maior ou menor grau, o que foi o acidente nuclear do centro de Vladimir Ilich Lenin, nas proximidades de Pripyat (Ucrânia), e o que significava. Este evento desencadeou alarmes sobre os perigos que poderiam desencadear um acidente nuclear; Assim, essa energia, apesar de ser uma das mais limpas, tornou-se um inimigo aterrorizante.

O debate foi servido, a URSS no centro das atenções e a imprensa alimentou os rumores sobre as doenças, mutações e conseqüências da radioatividade.

Vários pesquisadores postularam que as conseqüências não foram tão fatais quanto nos fizeram acreditar, e dar uma estimativa aproximada do número de vítimas é realmente difícil. Embora alguns estudos alertem para um aumento do câncer de tireoide nas regiões mais próximas que resultariam diretamente do acidente.

Svetlana Aleksiévich compilou alguns testemunhos dos sobreviventes em Chernobyl Voices, o trabalho tem nutrido enormemente o novo sucesso da HBO: Chernobyl. Da mão de um roteirista enraizado em uma comédia bastante absurda, Craig Mazin, e um diretor de vídeos de música, Johan Renck, emerge o inesperado, uma série sóbria, trágica e avassaladora.

Chernobyl: as chaves para o sucesso

A série Chernobyl apresenta uma grande qualidade em praticamente todos os níveis, o período é perfeitamente retratado e narra os fatos de maneira pausada.

Os três personagens principais ganham vida graças às atuações fantásticas de Jared Harris como Valery Legásov, Stellan Skarsgård como Boris Scherbina e Emily Watson como Ulana Khomyuk. Os dois primeiros são responsáveis ​​por colocar na pele de dois personagens principais na história da catástrofe, como o personagem de Ulana Khomyuk responde a uma homenagem a todos os cientistas que apoiaram Legasov.

Chernobyl levanta dois argumentos fundamentais: por um lado, temos uma trama claramente política em que os meandros da URSS são revelados, o segredo e o engano a que a população foi submetida; por outro, encontramos um argumento puramente humano e devastador, as verdadeiras vítimas e heróis daquele 26 de abril de 1986.

Na chave dramático, mas sem se afastar das intrigas de poder, a inescrutabilidade da União Soviética e também usando alguns elementos que poderiam facilmente encontrar em um filme de terror, Chernobyl apresenta uma realidade que supera qualquer ficção.

As cores frias acompanham uma minissérie em que não há muito espaço para esperança, a União Soviética é retratada por essa frieza. Mas, mesmo no meio do desastre, alguns personagens conseguem trazer alguma luz, falamos sobre a bravura altruísta dos mineiros, o sacrifício dos voluntários, os bombeiros … Em suma, daqueles homens a pé que arriscaram suas vidas para salvar o de milhares.

Por que Chernobyl é bem sucedido? Principalmente, porque gira em nossa consciência, em um passado histórico ainda muito próximo, cuja pegada não foi eliminada; um passado que nos lembramos há apenas alguns anos com Fukushima. A presença do assassino invisível e silencioso é descrita em detalhes. De uma maneira simples, podemos entender a magnitude do desastre.

Mas não podemos esquecer que é uma co-produção britânica e americana, uma versão de eventos que se espalhou por uma plataforma de streaming e que, aparentemente, não gostou dos russos.

Chernobyl usa uma linguagem cinematográfica à qual estamos muito acostumados e vai a elementos conhecidos pelo público em geral. Talvez, se tivéssemos que colocar um pouco ‘mas’, seria o fato de que parece agradar a todos e a visão não é totalmente imparcial.

Embora seja uma série notável, podemos ver nela um vislumbre do melodrama, algum elemento um pouco forçado e, talvez, alguma falta de profundidade com alguns personagens secundários. Mesmo assim, não há dúvidas sobre sua qualidade, seu sucesso e que conseguiu colocar na mesa uma questão que não deve ser esquecida.

Chernobyl: heróis e vítimas

Nossa passagem pelo mundo é devastadora, essa é a sensação que permanece depois de ver Chernobyle investigar um pouco sobre o estado atual da zona de exclusão. Através de cenas de cortar o coração, descobrimos que os seres humanos não foram as únicas vítimas da tragédia, houve outras vítimas que não tinham voz.

Nós conversamos sobre os animais que tiveram que ser abatidos. Alguns sobreviveram e deram origem a uma fauna que cresce e vive sem a nossa intervenção apesar da radioatividade. A série coloca diante de nossos olhos esta terrível realidade, demonstrando como eles tiveram que pagar com suas vidas aqueles que realmente sabem viver juntos na natureza.

A série não deixa para trás os homens que deram suas vidas para controlar a situação. Conhecemos Vasily, um bombeiro cuja história é esmagadora e é apenas um pequeno exemplo da tragédia humana que levou a Chernobyl. Em suma, a série é percebida como uma homenagem àqueles heróis e vítimas da catástrofe e egoísmo humano, enquanto emitem julgamentos para aqueles que fizeram pouco ou nada para evitá-lo.

E assim, lembrando que um dia foi o lugar mais perigoso do mundo, percebemos as grandes mentiras que foram contadas. E, especialmente, que o inimigo mais perigoso não era a radioatividade, mas o homem.

Fonte indicada: La Mente es Maravillosa
Imagem de capa: Chernobyl – minissérie da HBO. Imagem meramente ilustrativa.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here