Há um monstro que veio me ver e que não pretende me parar de uma vez, mas quase me impede de viver. Um monstro que muda de forma e posição no meu corpo. Às vezes parece me sufocar, às vezes isso revoluciona meu sistema nervoso e às vezes me paralisa. É um monstro que se chama ansiedade.

O estado de alerta tem sido vital para nossa sobrevivência como espécie. No entanto, quando esse estado de atenção, tensão e vigilância é narrado, o resultado é uma PREOCUPAÇÃO constante, que geralmente também se generaliza em tudo e em todos.

Faz-nos conscientes de tudo o que nos rodeia, mas de uma forma amplificada e distorcida. Nós já não distinguimos o estressante do simples. Tudo se acumula em nossa mente e faz com que funcione em plena capacidade. Não nos ocupar, mas nos preocupar. É um monstro que nos domina porque não sabemos transformar sua fúria em energia, só se materializa em fraqueza.

Ansiedade, de onde vem?

Quando a ansiedade torna-se crônica em um estado de preocupação perpétua, podemos falar sobre o que é conhecido no cenário clínico como Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG). Tem que ocorrer por pelo menos 6 meses e apresentar 3 ou mais sintomas como inquietação, irritabilidade, fadiga fácil, dificuldade de concentração ou ter uma mente em branco, tensão muscular e problemas de sono.

A ansiedade generalizada compartilha muitos sintomas com depressão, ambos os transtornos apresentam um efeito negativo alto. No entanto, a depressão é caracterizada mais pelo sentimento de tristeza e ansiedade por uma hiperatividade fisiológica contínua e um sentimento de incerteza contínua e asfixia. Qualquer mudança na rotina diária é percebida como um monstro ameaçador, pronto para ser lançado em nossa jugular.

O TAG não parece ter um forte componente genético, mas parece ter um caráter crônico que é agravado pelo estresse e flutua em intensidade ao longo da vida. Sua principal característica definidora é a preocupação constante com aspectos da vida cotidiana. Sua presença é evidente – nos casos presentes – por volta dos 20 anos, embora sua comorbidade com outros sintomas ansiosos ou depressivos possa dificultar seu diagnóstico.

É muito mais frequente nas mulheres, como quase a maioria dos distúrbios emocionais na idade adulta. Ela se manifesta em um sistema de resposta tripla: cognitivo, motor e emocional.

Aquele monstro que é conhecido pela perfeição

Muitas pessoas conhecem seus sintomas “na ponta dos dedos”, uma vez que esse distúrbio geralmente é sofrido por pessoas com grande consciência do que acontece com elas, mesmo que não sejam capazes de tratá-las e melhorar os sintomas. Além disso, eles geralmente descrevem com perfeição como a ansiedade os aproxima e os paralisa. A alexitimia não é uma característica predominante nesses pacientes, mas exatamente o oposto.

Muito se sabe sobre a ansiedade, mas esse distúrbio parece não ter um tratamento suficientemente bem estabelecido e bem-sucedido, embora seja muito freqüente na população. O tratamento de escolha geralmente é a terapia cognitivo-comportamental, como a de Dugas e Ladouceur (atualizada em 2007); o de Borkovec e Pinkus (2002) ou o de Brown e Barlow (1993).

Às vezes, os medicamentos são usados ​​para melhorar sua eficácia, mas EYE: ansiedade prolongada nunca deve ser tratada com ansiolíticos no caso de uso de medicação. Um antidepressivo ISRS, como a paroxetina, deve ser usado, embora os antidepressivos duplos, como a venlafaxina, sejam os mais adequados.

Uma história sobre a ansiedade e o mundo em que vivemos

Embora muitos pacientes conheçam bem seus sintomas, será a terapia que os ajudará a atuar como cientistas com seus próprios sintomas, como “gurus” na busca por sua própria regulação emocional. O psicólogo deve colocar à sua disposição as melhores técnicas para isso.

Uma boa idéia é que a pessoa com ansiedade crônica faça perguntas reais sobre sua existência e seus valores vitais. Às vezes você tem que jogar perguntas para este mundo, que parece criar e alimentar esse monstro. Às vezes vale a pena transformar em um conto para ver um significado no que percebemos como caos.

O que você deve ao mundo? O que esse monstro exige de você?

Lembre-se daquela infância. Lembre-se de como você ficou feliz porque você pulou, correu e curtiu sem ter que explicar para ninguém. Lembre-se de pular, ficar sujo e bagunçar, embriagado na intensidade do momento. Não havia tempo para preocupação, porque não havia noção de tempo além do que você estava vivendo. Mas logo as demandas vieram e com elas a sensação de que você devia algo ao mundo.

Você começou a sentir que esconder o que não seria bem visto no rosto dos outros era mais importante do que viver a verdadeira realidade que o rodeava. As demandas começaram a substituir as quedas. Os discursos que exaltavam aquelas crianças “com altas habilidades” pareciam ensurdecer os gritos que antes eram de alegria e espontaneidade. Ninguém poderia dizer que você nunca poderia assumir o controle de tudo.

Ninguém te ensinou a continuar a manter sua chama de infância enquanto constrói uma identidade com novas responsabilidades. Ninguém poderia explicar a diferença entre deveres e direitos, inclusive ser feliz sem se sentir culpado.

Neste momento, com aquele monstro devorando você mais e mais, é hora de você começar a exigir mais dele e menos de você. Pergunte a ele: O que devo a você mundo para me enviar esse monstro? Talvez com essa pergunta você e muitos entendam que, não importa o quanto você exija, não podemos dar nada ao mundo sem ao menos sermos capazes de gostar de viver nele.

Você não vai decepcionar ninguém, você nem pediu permissão para estar aqui. Abandone tanta demanda e recupere seus direitos. Volte a ficar sujo, sem se preocupar se o mundo vai ficar bravo com isso. Diga olá a esse monstro e, embora às vezes pareça vir com força, mostre a ele com seus atos que você não tem mais para ele do que o que você não é capaz de dar a si mesmo.

Artigo escrito pela Mestra em Psicologia Cristina Roda Rivera para o site La Mente es Maravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here