Quando você sentir que não se ama mais, voe. Quando você perceber que algo não estimula mais sua mente ou inflama sua alma, voe. Quando você notar palavras falsas e desprezo, saia pela porta da frente e com a sua cabeça erguida. Lembre-se sempre de que nada cresce em lugares murchos e que você precisa florescer, voe alto.

Se pensarmos sobre isso, vivemos em uma cultura onde aprendemos que resistir é ser valente. Que há coisas que é melhor guardar e manter em silêncio, porque a vida, as relações afetivas e até mesmo o próprio trabalho é tão difícil. No entanto, devemos ser claros: o masoquismo não é sinônimo de coragem. De fato, quase ninguém encontra prazer quando é violado, desprezado ou enganado. Os verdadeiros heróis são aqueles que ousam dizer “é o suficiente”.

“Quando não somos mais capazes de mudar uma situação, nos deparamos com o desafio de mudar a nós mesmos.” -Viktor Frankl-

No entanto, outro dos maiores problemas que o ser humano tem é que ele tem uma mente conservadora por natureza. Neurologistas, por exemplo, nos falam sobre um conceito tão interessante quanto complexo. Trata-se da “economia da informação”, isto é, quando as pessoas integram um valor ou uma crença nos ancoram de maneira obsessiva e permanente, portanto, a resistência à mudança é tão complexa.

Ninguém pode fugir assim depois de manter um relacionamento emocional em que essa pessoa era nosso norte e nosso sul. Nem podemos tirar todas as nossas raízes de um cenário em que, até pouco tempo atrás, ele nos dava valores e uma maneira de nos vermos. No entanto, não há nada pior para a nossa saúde física e mental do que alimentar o auto-engano.

Quando andar em círculos nos impede de voar

Anthony de Mello foi um psicoterapeuta bastante espiritual que nos deixou livros realmente interessantes, nos quais você podia apreciar a magia tão habitual dos grandes contadores de histórias. Um dos aspectos que mais trabalhou foi sem dúvida a resistência à mudança. Segundo ele, muitas pessoas vivem submersas até o pescoço em piscinas cheias de “substâncias tóxicas e nauseantes”.

Agora, em vez de deixar o cenário desagradável o mais rápido possível, o ser humano só se importa em “não levantar ondas”. É uma imagem muito gráfica que nos convida, sem dúvida, a nos perguntar por que é tão difícil colocar em prática uma atitude mais corajosa e mais ousada para emergir desses ambientes. De certa forma tentamos, embora nem sempre o façamos da melhor maneira.

Em um estudo interessante publicado na revista “Current Biology”, foi mostrado algo curioso que deveria nos convidar a refletir: quando as pessoas se perdem, em vez de caminhar em linha reta para encontrar uma saída, fazemos isso em círculos. Como observamos no início, nossa mente é conservadora, é porque o cérebro não gosta de riscos, saltos a vácuo ou estratégias arriscadas. Antes de encontrar uma saída, isso nos forçará a andar em círculos.

Agora, esses dados não devem nos desencorajar. Na verdade, é algo normal. Quando há certas características ou situações que devemos mudar, iniciamos uma série de tentativas de alimentar uma e outra vez, quase sem perceber, a mesma situação. No entanto, “estamos nos movendo” mais cedo ou mais tarde, vamos ativar esse navegador interno que indicará onde a saída verdadeira é.

Na verdade, às vezes é o suficiente para olhar para cima, onde só há calma. Onde o equilíbrio de uma imensidão serena pode nos dar as respostas que precisamos para “voar”.

Desdobre as suas asas e simplesmente …

Temos certeza de que você também não é fã de conformismo. Viver naqueles espaços ressequidos onde o amor não é autêntico ou onde não nos valorizaram durante muito tempo é como alimentar a fogueira do masoquismo e da dor. Por que agitar mais essas chamas? Por que praticar o culto da infelicidade e submissão? Desdobre as suas asas e voe.

“Não é a espécie mais forte que sobrevive, nem a mais inteligente, mas a que responde melhor a mudar,” -Charles Darwin-

Alimentar esses comportamentos nos fará, pouco a pouco, tristes e mendigos de desgosto, em fantoches infelizes que outros gostariam de manejar à vontade. Não vale a pena perder a dignidade dessa maneira e, portanto, é conveniente refletir alguns momentos sobre as estratégias a seguir.

Chaves para promover a mudança e “desdobrar” nossas asas

Nossa “sobrevivência emocional” passa obrigatoriamente por lidar com apegos. Sabemos que ninguém nos educou na linguagem do adeus; No entanto, saber como fechar estágios faz parte da vida e, para avançar, você precisa saber como abandonar o que dói, o que não é mais útil, o que não está mais nos ajudando a crescer.

. Aprenda a ser responsável por sua vida. Pegue as rédeas sem esperar por equipes de resgate. Ninguém pode te amar mais do que você, ninguém tem mais o direito de resgatá-lo do que te machuca mais do que aquele ser formidável que se reflete em seus espelhos.

. A perda chora. Você tem todo o direito de aliviar a dor, porque o coração partido dói, porque saber que não somos mais úteis nesse trabalho, nessa situação ou valorizado naquele elo em particular, causa dor.

. Faça um plano para o seu futuro imediato. Não cometa o erro de pensar apenas em “quem vai ser meu” ou “tudo está perdido”. Controle os pensamentos fatalistas e coloque sementes neste pensamento presente apenas no futuro imediato. Não se levante nenhum dia sem ter um objetivo específico, definido, satisfatório e fácil de cumprir.

. Crie rituais simples. Quando eu vejo desespero ou frustração, use rituais apropriados, aqueles que podem ajudá-lo muito. Vá passear, fique com alguém, desenhe, escreva, leia, corra … Este tipo de exercício tem o propósito de “quebrar” o ciclo de pensamentos obsessivos através de atividades libertadoras e curativas. Rituais do coração para libertar a mente.

Às vezes, basta fazer visualizações simples. Imagine-se como você gostaria de ser, livre, relaxado, com sua alma calma e receptiva a tudo o que o amanhã salvou para você: a felicidade que você merece. Portanto, voe.

Tradução por A Soma de Todos os Afetos, via La Mente es Maravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here