Às vezes pecamos de inocentes. Não vemos as duplas intenções, o egoísmo oculto ou as falsidades envoltas em papel de embrulho e ações gentis. O mal, ou melhor, a traição ou o interesse de outros, são muito comuns em nossos relacionamentos diários.

Há aqueles que costumam pregar o que “pensa mal e você vai estar certo”. Mas pessoas boas, ou aquelas que simplesmente preferem sempre ver o melhor de tudo que as rodeia, não costumam ter essa visão de eventos.

A nobreza do coração sempre parece do lado bom das pessoas. Ele prefere se render, dar segundas chances e praticar a confiança. Assim, ao longo da vida, eles levam mais de uma decepção. Nós convidamos você a refletir sobre isso.

A maldade encoberta por egoísmos disfarçados

O psicólogo e pesquisador Howard Gardner surpreendeu a mídia com um comentário que deu a volta ao mundo. Segundo o professor de Harvard e grande promotor da inteligência humana, os maus nunca se tornam bons profissionais. Eles podem alcançar o sucesso, mas nunca a excelência.

Para Gardner, pessoas boas são aquelas que não buscam reconhecimento, mas que são motivadas em seu trabalho a oferecer um benefício bom e comum. É então, através desta visão e desse sentimento, que uma pessoa se torna um bom profissional.

O mesmo acontece no campo privado e relacional. Essa excelência “pessoal” só é alcançada promovendo o bem-estar dos outros e o respeito pela reciprocidade. Aqueles que não praticam essa abertura emocional e buscam apenas interesse próprio não constroem laços, não criam pontes ou reforçam laços.

No entanto, um problema adicional é que as pessoas com boas intenções, os nobres do coração, não costumam perceber quem vai com má intenção.

Interesse disfarçado

De acordo com vários estudos científicos realizados pelo psicólogo Robert Feldman, da Universidade de Massachusetts (Estados Unidos), cerca de sessenta por cento das pessoas dizem, em média, três mentiras por dia.

. Incluem-se omissões, exageros e até mesmo falsidades graves que perseguem um interesse egoísta. Poderíamos concluir que existem “mentiras piedosas” e “grandes falsidades”. Estes últimos são os mais destrutivos.

. Interesse secreto é aquele que procura um propósito e não hesita em realizar certos comportamentos enganosos para alcançar um fim.

. Especialistas em comportamento humano indicam que, de alguma forma, todos buscamos benefícios de todos ao nosso redor. No entanto, o mais comum é esperar respeito, reconhecimento, afeto, amizade … Dimensões que devem ser oferecidas em liberdade e por vontade própria.

As pessoas que escondem em seus corações certas gotas do mal e uma pincelada de egoísmo sutil, manipulam os outros para alcançar seus propósitos.

Há, portanto, uma clara dissonância entre seus verdadeiros sentimentos e as ações que eles implantam. Um comportamento que nem sempre podemos prever e que, em geral, pessoas boas nem sequer suspeitam.

A nobreza do coração não costuma antecipar o falso interesse

Caracterizado pela prática de confiança, respeito e altruísmo, muitas pessoas de coração nobre não antecipam o falso interesse. É assim por diferentes razões:

. O mal ou o egoísmo geralmente apresentam um comportamento encoberto que não é fácil de ver ou intuir.

. Boas pessoas são caracterizadas por grande empatia. A empatia é, acima de tudo, ser sensível às emoções dos outros, emoções como tristeza, alegria, necessidade, preocupação …

. O cérebro humano geralmente “não costuma ter empatia pelo mal ou egoísmo”. Por isso, não é percebido.

E também, quando alguém procura um propósito para nós, ele faz uso das artes sutis do engano e da manipulação. Em geral, eles despertam em nós a ternura, a amizade e outras emoções positivas que nos fazem cair em suas redes. Um processo muito complexo.

As decepções

Desapontamentos são muito frequentes no coração de uma pessoa boa. Quase ninguém tem um radar dentro para pegar a intenção maligna ou dupla do outro.

Portanto, a decepção é geralmente maior. Ficamos desapontados com a dor que nos causaram ao cair no engano. E também discordamos de nós mesmos, por não termos antecipado isso, por “pecar ingênuos”.

Entretanto, antes de nos martirizar com esse tipo de pensamento destrutivo, personalizando-os, devemos assumir o que aconteceu como uma experiência, como um aprendizado.

Decepções devem abrir nossos olhos, mas nunca fechar nossos corações. Caso contrário, deixaremos de ser nós mesmos. E isso é algo que não podemos permitir. Não deixe que o comportamento de outras pessoas o force a ser alguém que você não é.

Fonte indicada: Mejorconsalud, via A Soma de Todos os Afetos

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

3 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here