A ansiedade é um dos problemas psicológicos mais difundidos do nosso tempo, a tal ponto que poderíamos dizer que vivemos na Era da Ansiedade. Por um lado, temos que enfrentar múltiplos compromissos, estar conectados para responder de imediato e atender às crescentes expectativas sociais que geram grande pressão. Por outro lado, as condições em que vivemos e as nossas próprias ligações tornaram-se líquidas, afastando-se cada vez mais da estabilidade e segurança de outros tempos.

A tensão pelo desempenho e a incerteza em que vivemos formam constantemente um coquetel explosivo que provoca ansiedade. Não é por acaso que 4 em cada 100 pessoas sofrem de um distúrbio de ansiedade. E se não pararmos, esse número continuará a subir.

3 pensamentos que marcam o perfil da pessoa com ansiedade

1. Perspectiva

Onde você está? Onde você gostaria de estar? Quanto maior a distância entre essas duas respostas, maior a probabilidade de você sofrer de ansiedade. Quanto menos satisfatória for sua vida atual, e quanto mais alto você definir o nível, mais ansiedade sofrerá. O problema não são os objetivos ambiciosos, mas o fato de percebê-los como algo inatingível ou de que o esforço ou renúncias que exigimos são tão grandes que geram tensão.

Para evitar esse problema, basta estabelecermos pequenos objetivos que possamos administrar melhor e nos permitir alcançar, passo a passo, a meta que estabelecemos para nós mesmos.Também influencia a atitude que assumimos ao atingir esses objetivos. Podemos trabalhar para alcançar grandes feitos mas, ainda assim, nos sentirmos satisfeitos com o nosso presente. Se trabalharmos de olho em um objetivo, mas sentindo-nos gratos e satisfeitos com nossa vida, a ansiedade desaparecerá.

2. Pressão

Por que tantas pessoas se colocam em uma situação que lhes causa ansiedade? Por que eles passam por situações de pressão? A resposta varia de uma pessoa para outra, mas, em muitos casos, o ponto de partida é o mesmo: eles querem satisfazer as expectativas que beiram o irreal.Esses padrões podem vir da sociedade ou dos grupos mais próximos, como amigos e familiares.

De fato, a pressão exercida pela sociedade é uma das fontes mais comuns de ansiedade, já que queremos cumprir a todo custo com o que se espera de nós. Quando não sabemos se podemos alcançá-lo, uma série de pensamentos ansiosos é ativada.Em outros casos, é uma pressão interna relacionada ao nosso sistema de valores, às expectativas sobre nós mesmos e nossos objetivos.

O perfil da pessoa ansiosa inclui o perfeccionismo, a tendência à autocrítica e à auto-exigência. Se você é uma pessoa que requer muito tempo e tem um alto nível de auto-crítica, mas pouco própria condescendência, é provável que acabam por sucumbir às pressões que você autoimpones, o que gerará ansiedade.

3. Permissão

Muitas pessoas não se dão permissão para fugir da ansiedade, para aliviar aquela situação que gera esse estado de desconforto. Assim, eles estão presos em um círculo vicioso que continua a alimentar a ansiedade.Este comportamento insalubre, que à primeira vista não tem sentido, é na verdade muito difundido. Muitas pessoas, por exemplo, identificam ter uma agenda completa e passar de um compromisso para outro com o fato de serem importantes. Portanto, abrir espaço para sua agenda implicaria um ataque à imagem que eles têm de si mesmos.

Outros se apegam às preocupações porque acreditam que é o que deve ser feito ou até mesmo pensam que essas preocupações os tornam uma boa pessoa. Eles não percebem que preocupar-se sem se importar é perfeitamente inútil.

Portanto, para aliviar a ansiedade, você também precisa se dar permissão para deixar ir ou se afastar de todas as preocupações ou situações que realmente fazem você se sentir mal e afetar seu equilíbrio mental.

Texto traduzido de Rincon Psicología

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

1 COMENTÁRIO

  1. Viver no passado ou no futuro é estar ansioso no presente, sem vivê-lo. Deveríamos observar com mais atenção os ciclos da natureza, primavera, verão, outono, inverno e copiar as seqüências de paz que ela exemplifica. Bebês precisam de nove meses para ser uma pessoa, por isso mamães esperam com calma. Pessoas que convivem com seus animais de estimação, cães e gatos, são mais equilibradas, porque animais não costumam ser paranóicos, eles vivem o presente, nada mais e com isso nos ensinam a sabedoria que ainda não alcançamos. Também não deveríamos rotular doenças psíquicas, em nós ou nos outros, porque nada é definitivo, rótulos são tatuagens que custam caro, doem para sair e somos capazes de nos curar, sim, se existir uma vontade soberana que nos posicione acima de nossas taras, desequilíbrios e limitações. Um mergulho em nós mesmos, o desapego de mágoas, melindres, suscetibilidades, o desprendimento de coisas e objetos supérfluos que nos aprisionam às ilusões de vaidade, posse e uma base estável e inalterável de um sentimento de religiosidade, não propriamente de uma religião, nos identificam como pessoas mentalmente sãs porque conectadas ao Universo e à nossa destinação eterna, muito além das mediocridades humanas e suas pseudo “necessidades desnecessárias” de aquisições imediatistas, apressadas e inúteis. Importante selecionar o alimento mental, assim como se escolhe produtos saudáveis para o cardápio, desprezando as cascas e os caroços de tudo o que vivenciamos, escolhendo a melhor parte e deglutindo cada bocado, apreciando a textura e o sabor sem consultar o relógio ou o celular porque ansiosos costumam comer a casca e jogar a banana fora, sem perceber. Suficiente é viver, porque tudo o mais que parece ser a vida, não faz falta, seu brilho fictício não nos representa, se queremos ser “de verdade”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here