Se você tem que forçar, não é seu tamanho. Esta afirmação é válida para qualquer elemento que de alguma forma tenha que se encaixar com você, sejam roupas ou relacionamentos, amizades e etc.

Muitos se identificarão com aquela situação em que vemos uma peça de roupa que amamos, pedimos e nos dizem que nosso tamanho acabou. Então pedimos por um tamanho maior ou menor, para ver se há sorte. Muitas vezes insistimos que algo nos cabe e não nos damos conta de que isso realmente está nos machucando.

A inércia, as mensagens nocivas que a sociedade nos envia, as expectativas, as oportunidades… Tudo isso, traduzido em um relacionamento disfuncional, só pode ter um resultado: a dor.

O que origina isso é a falta de amor. Mas não de qualquer tipo de amor, mas de amor-próprio especificamente. É um verdadeiro triunfo ousar deixar de lado nossas esperanças e abrir nossos olhos para perceber que bons sentimentos nunca são acompanhados de submissão.

Se não é o seu tamanho, não force, o amor não implora

O amor não mendiga nem implora. Se eles não nos querem, insistir que eles o façam é um suicídio emocional garantido. Não podemos esperar que um milagre aconteça e o amor surgirá. Muito menos podemos manter essas expectativas à custa da nossa saúde emocional e da nossa liberdade.

A educação que recebemos é muito culpada por isso. Assim, por exemplo, estamos cansados ​​de filmes que promovem dependência e que atribuem a qualquer relacionamento a capacidade de superar qualquer tipo de obstáculo aparecer repetidas vezes em nossas televisões.

Isto não é assim, um relacionamento apertado e ferido está nos impedindo de crescer e oprimir nossa capacidade de respirar livremente. É quase tão simples como se estamos nos afogando, devemos sair da água. Agora, deixar um relacionamento tortuoso geralmente não é fácil e, acima de tudo, é muito assustador …

As feridas que foram geradas forçando o relacionamento

Há uma realidade muito bonita em relação às pérolas que nos ajuda a ilustrar como podemos curar as feridas que surgiram de uma relação de amor ou amizade forçada. Vamos ver isso…

Nesse sentido, a primeira coisa que devemos saber é que uma ostra que não foi ferida de alguma forma não produz pérolas, porque a pérola é uma ferida curada. Pérolas são produtos de dor, resultado da entrada de uma substância estranha ou indesejável dentro da ostra, como um parasita ou um grão de areia.

Na parte interna da ostra é encontrada uma substância brilhante chamada nácar. Quando um grão de areia entra nele, as células de nácar começam a trabalhar e cobrem-no com camadas e mais camadas, para proteger o corpo indefeso da ostra. Como resultado, uma linda pérola se forma.

Sabendo disso, podemos tornar nosso processo na forma de uma metáfora. Cicatrizar e feridas não são fáceis, mas são a única maneira que nos ajudará a fechar um estágio doloroso em nossas vidas.

Quando você atinge o fundo

O mundo está caindo aos pedaços, estamos fundo do poço, não seremos capazes de estabilizar as nossas vidas sem a presença dessa pessoa ou esse grupo de relações que se importava tanto… Todos esses sentimentos negativos são normais em situações de adversidade emocional.

No entanto, essa mesma “fraqueza” que nos assusta tanto pode ser usada para nos reforçar. Para ilustrar isso, usaremos a técnica chamada Kintsugi que os japoneses usam para reparar peças quebradas. Consiste na recomposição de peças de cerâmica quebradas com ouro, de modo que o que outrora quebrou, agora se torna a parte mais bonita e forte.

Se usarmos a sabedoria oriental para entender isso, entenderemos que o que nos fez sofrer também nos dá valor. Além disso, a beleza de nossa ruptura dependerá do que aprofundamos em nosso interior e de como trabalhamos nossa dor.

Tentar refazer um livro com uma história que já se mostrou sem futuro em outras ocasiões, comprometer-se com um tamanho que não é nosso, tudo isso é nos enganar. É por isso que devemos estar cientes de uma ferida que não pode ser curada se estivermos constantemente envolvidos nela.

Podemos ter cicatrizes, sim, mas sempre podemos usá-las com orgulho e, acima de tudo, com total liberdade sem nada apertar.

Traduzido e adaptado do site La Mente es Maravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here