Há aqueles que se arrependem de ter amado, seja porque um relacionamento não deu frutos ou porque acabou quebrando em mil pedaços. No entanto, nunca perde quem dá amor, mas quem não sabe apreciá-lo e recebê-lo.

Amar significa abrir. Aquele que ama não salva nada para si mesmo, mas nessa rendição há uma contradição maravilhosa, pois, ao dar, recebemos. De fato, perde quem está confinado dentro de si mesmo, que constrói muros ao seu redor para se proteger, porque dessa forma nenhuma alegria entrará, mas o sofrimento poderá se esgueirar por algumas brechas.

A pior coisa que você pode fazer é se fechar

Quando sofremos uma desilusão por causa de alguém que amamos ou nos abandonamos, somos forçados a fazer grandes reestruturações em níveis psicológicos. Não apenas temos que lidar com os sentimentos que estamos experimentando, mas também precisamos processar o que aconteceu em um nível cognitivo.

A dor da perda, frustração e até mesmo a raiva acabam martirizando nossos pensamentos. Às vezes essa dor é tão grande que dói fisicamente e parece que está nos despedaçando, literalmente. E como ninguém gosta de sofrer, podemos acabar nos recriminando, achando que não deveríamos amar tanto porque assim poderíamos ter evitado esse sofrimento.

É certo. É um raciocínio perfeitamente válido e racional: se não amamos, não sofremos. No entanto, vale a pena viver emocionalmente anestesiado? É isso que você quer?

É perfeitamente compreensível que depois do primeiro impacto emocional pensamos que não voltaremos a amar da mesma maneira ou que devemos nos proteger do sofrimento novamente, porque as emoções que estamos experimentando são como óculos escuros que nos impedem de ver as cores do mundo.

De fato, de certa forma, esses pensamentos são um mecanismo de defesa. Quando o sofrimento nos domina, tentamos buscar consolo. E a ideia de que não sofreremos dessa maneira no futuro pode nos confortar. É como pensar: “Ok, agora estou sofrendo muito, mas quando eu superar, isso não acontecerá novamente”. Esse pensamento pode ser reconfortante e pode nos ajudar a sair do buraco.

No entanto, em um certo ponto, é necessário reestruturar esses pensamentos e se reabrir para o mundo. Devemos estar conscientes de que os mecanismos de defesa que em um determinado momento podem ser funcionais e nos protegerem, também podem nos prejudicar depois de um tempo.

Mude a perspectiva ou se condene à esterilidade emocional

Amar nunca é tempo perdido, é uma experiência que podemos valorizar por toda a vida. É necessário estar atento apenas ao momento em que o processo de luto passa e a dor diminui para reprocessar nossos pensamentos.

O primeiro sinal de que nossas feridas emocionais são curas é que, quando olhamos para trás, não vemos mais apenas os maus momentos, mas surgem lampejos de bons momentos. Então chegamos ao ponto em que devemos refletir sobre nossos pensamentos. A partir desse momento podemos começar a nos abrir para o mundo novamente.

Isso nos ajudará a pensar que, mesmo que não gostemos de aceitá-lo, tudo tem um custo na vida. Para obter algo, devemos dar algo em troca. Isso significa que a alegria do amor também contém a dor do sofrimento. Negar um significa negar o outro e condenar-se à esterilidade emocional, que é muito pior do que a dor da perda.

Imagem de capa: Pexels

Traduzido e adaptado do site Rincón Psicologia

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here