Não faça isso, não se estresse, não amarre sua existência porque nada que você faça será bom para muitas pessoas. Mas o que isso importa? Parar de se preocupar com o que não vale a pena é ganhar saúde mental, e é, antes de tudo, pôr fim àqueles pensamentos ruminantes que nos roubam energia e tranquilidade.

Devemos admitir que esse compromisso constante com os outros é quase um reflexo em muitos de nós. É como um tendão psíquico que durante muito tempo cumpriu uma função muito concreta no ser humano: ser aceito pelo grupo.

Porque quem pensa diferente ou quem age por um egoísmo sadio às vezes é isolado do grande rebanho de ovelhas. E isso, para muitas pessoas, pode ser traumático.

Adaptação e autoestima

Ironicamente, pensando se o que fazemos será bom, para registrar esse compromisso constante com os outros, o que realmente consegue é reduzir nossa autoestima e afogar nossas ilusões. Porque assim como há absolutos complacentes, há também inúmeros predadores sem escrúpulos.

Espécimes preparados quase instintivamente para aproveitar aquelas pessoas para quem a palavra “NÃO” não existe ou é proibida em sua consciência. Portanto, quer acreditemos ou não, a necessidade de nos ajustarmos quase a cada momento às expectativas das outras pessoas é também uma forma de se auto agredir.

Pouco a pouco entramos numa dinâmica complexa onde descobrimos que estamos sendo manipulados, que dizer “sim” já é um ato reflexo impossível de controlar. Frustração, derivar em raiva, raiva em desespero e pesar em um colapso nervoso.

Nada é tão devastador quanto nos erguer como nosso próprio inimigo apenas por não ousar praticar o egoísmo sadio, pois sempre pensar se o fizermos será bom ou não aos olhos dos outros. Propomos refletir sobre isso.

Tudo o que você fizer não será bem aos olhos de muitos

Caindo na obsessão de cumprir tudo que nossos parceiros, familiares ou chefes esperam. Nós nos aprofundamos em recursos emocionais e psicológicos, e até desenvolvemos um tipo de anemia existencial onde o tecido da nossa autoestima é seriamente afetado.

O mais complexo de tudo isso é que esse sacrifício vital nem sempre é recompensado. Nem todos entendem a reciprocidade ou valorizam nossos esforços, mas mesmo assim continuamos a investir neles. Além disso, esta dedicação mental não conhece as férias ou pausas no final do dia.

Um aspecto essencial deve ser claro: esse estresse contínuo, baseado no fato de que estamos cada vez mais exigindo mais do que podemos lidar, geralmente deriva do ciclo da depressão.

Albert Ellis, um famoso psicoterapeuta cognitivo, lembra-nos que esse sofrimento vital não se deve apenas àquelas pessoas que nos exigem, que exigem perfeição e envenenam favores. Nós somos aqueles que com nossas crenças irracionais intensificam um sofrimento que poderia ser evitado.

Uma dessas crenças irracionais é pensar que a aprovação dos outros nos valida como pessoas. É possível que fôssemos feitos acreditar assim como crianças. No entanto, crescer, amadurecer e evoluir está mais perto de si mesmo para descobrir que a única pessoa que nunca devemos decepcionar é a nossa.

Então, quanto mais cedo entendemos que às vezes, o que você faz não será bom para muitos, melhor. Poderemos ir para a cama com uma consciência tranquila, sem peso, sem ansiedades. É uma maneira sensacional de investir em qualidade de vida.

O que você faz, que te faz feliz

Quando você tem a coragem de deixar de lado a complacência, surge aquele ser autêntico, pleno e maravilhoso que todos nós temos dentro. E quem não gostar que vire. Quem não gostar que siga o caminho oposto.

Porque enquanto houver respeito haverá coexistência. No entanto, como já indicamos antes, o primeiro passo é respeitar a nós mesmos.

Como deixar de ser uma pessoa complacente

Uma pessoa complacente é um dos seres mais bondosos que existem. Outros sabem disso e muitas vezes se aproveitam disso. É isso que Richard e Rachel Heller nos ensinam em “Egoísmo sadio: como cuidar de si mesmo sem se sentir culpado”. Um livro onde eles descrevem o esgotamento físico e mental ao qual esse tipo de perfil comportamental geralmente leva.

. O primeiro passo para parar de alimentar essa abnegação em relação aos outros é nos encontrarmos novamente. Há pessoas que têm ajudado, se importando e agradando há tanto tempo que esqueceram completamente quais eram suas paixões, suas ilusões. Aquilo que os identificou.

. O segundo passo, uma vez que nos tornamos conscientes de nossos interesses e desejos, é começar a praticar o egoísmo saudável. Para fazer isso, lembre-se da seguinte regra: ouse dizer “SIM” sem medo e “NÃO” sem culpa.

No começo, isso nos custará. Os atos reflexos não desaparecem assim. No entanto, tenha em mente este simples conselho: deixe passar alguns minutos entre o pedido do demandante e a sua resposta, e certifique-se de que isso o deixa feliz.

Esse será o momento em que você não será mais complacente.

Tradução e adaptação por A Soma de Todos os Afetos, via La Mente es Maravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here