Aqueles que não estão mais dormindo nas profundezas de nossos corações, mas que ainda são ausências que permanecem dor em nossa memória: porque eles nos deixaram incapazes de lhes dar um adeus, eles partiram sem um “eu te amo” ou talvez até sem um “sinto muito”. Essa angústia vital dificulta em muitos casos o processo adequado de luto.

Morte, deveria ser como uma despedida na plataforma de um trem. Lá onde ter um breve intervalo de tempo onde ter essa última conversa, onde oferecer um longo abraço e deixar ir com uma calma até então, tendo plena confiança de que tudo irá bem. No entanto, nada disso é possível.

Aqueles que nos deixaram não estão ausentes, nós os mantemos em cada batida do nosso coração, eles descansam em nossa mente e nos dão força todos os dias enquanto os honramos com um sorriso …

Anne Morrow Lindberg, famosa escritora e aviadora do início do século XX, explicou em sua biografia que a dor, ao contrário do que muitos pensam, não é universal. O sofrimento é algo tão pessoal, profundo e gritante que só você pode entender que começa, pouco a pouco, um lento processo de reconstrução interna.

Porque a morte não conhece as despedidas e isso é algo que devemos supor mais cedo ou mais tarde. Nós convidamos você a refletir sobre isso.

Aqueles que nos deixaram sem pedir permissão ou dizer adeus

Costuma-se dizer que o único aspecto “positivo” das doenças terminais é que, de alguma forma, elas permitem que a pessoa assuma e até se prepare para o processo de despedida ou o que agora é conhecido como “boa morte”. No entanto, por mais bem preparada que seja a família naquele momento ou esse “desapego”, às vezes, longe de se sentirem aliviados, eles também a experimentam como algo traumático.

No entanto, aqueles que nos deixaram sem pedir permissão ou dizer adeus são, sem dúvida, as ausências que nos causam mais dificuldade na hora de iniciar nosso processo de luto ao longo dessas 5 etapas do modelo Kübler-Ross. O habitual é ficar preso nos sentimentos de descrença e negação, até que derive, no pior dos casos, num estado de desorganização vital, marcado pela raiva ou depressão crônica.

A morte inesperada de um ente querido supõe algo mais do que um impacto emocional intenso. A perda deixa muitas pontas soltas, questões pendentes, palavras não ditas, arrependimentos não desculpados e a necessidade desesperada de ter sido capaz de dizer adeus. As respostas a tudo isso estarão então dentro de nós, e é aí que teremos que nos refugiar por um certo tempo para encontrar calma, alívio e aceitação.

Como enfrentar a perda de um ente querido quando não conseguimos dizer adeus

Jim Morrison disse que as pessoas geralmente têm mais medo da dor do que a morte, quando, na verdade, é a própria morte que finalmente alivia a dor. No entanto, o famoso cantor e compositor de “The Doors” esqueceu-se de algo essencial, já que após a morte começa outro tipo de sofrimento: a família, amigos, casais …

A morte nunca é completamente real, nunca é inteiramente autêntica … Porque a única maneira de perder uma pessoa para sempre é através do esquecimento, através do vazio da “não-memória”.

Algo que devemos ter muito claro desde o início, é que cada pessoa viverá a dor de uma maneira particular. Não há tempos ou uma estratégia que sirva a todos igualmente. Além disso, a dor que paralisa tanto no começo, que remove o ar e até tira a alma nos primeiros dias, semanas ou meses, acaba se suavizando. Porque apesar de acreditarmos que é quase impossível… sobrevive.

Aprenda a dizer adeus a alguém que não teve essa chance

Aqueles que nos deixaram com tantas perguntas vazias e sem resposta, palavras não ditas e sem que precisássemos de um adeus, não voltarão. É algo que devemos assumir, encarar e aceitar. Agora, algo que deve nos oferecer alívio é lembrar que essa pessoa nos amou e que o amor era recíproco.

.Evite focar seus pensamentos no dia da perda, volte em sua máquina do tempo mental àqueles momentos de afeto compartilhado, àqueles momentos de felicidade e ilusão. É lá, onde as respostas para suas perguntas são encontradas: essa pessoa sabia que ela era desejada.

. Escreva uma carta com tudo o que você gostaria de ter dito ou, se preferir, fale com ele mentalmente ou em voz alta, facilitando assim o alívio. Então, visualize um momento de harmonia compartilhado com essa pessoa, um momento de paz e felicidade onde você a vê ou a vê sorrir. Sinta-se amado, sinta-se confortado.

. Se preferir, você pode repetir este exercício quantos dias precisar. No entanto, também é apropriado compartilhar o tempo com outros membros da família e amigos, que, sem dúvida, também lhe darão as respostas de que você precisa. Eles vão convencê-lo de que, apesar de não ter se despedido, a outra pessoa sabia muito bem o quanto você a amava.

A ferida da perda, daquela tão dolorosa e inesperada ausência, será cauterizada com o tempo. Embora estejam vazios e nunca esqueçam, acreditem ou não, nosso cérebro é “programado” para superar a adversidade devido a esse instinto quase inato de seguir em frente. Para sobreviver

Para fazer isso, basta cuidar de nós mesmos e nos tratar como alguém recompondo um delicado pedaço de porcelana fragmentada. Vamos uni-lo novamente com boas lembranças que honram o ente querido e com esse assunto de que são feitos os amores que não são esquecidos, o carinho mais sincero e indelével e aquele legado emocional que servirá de verniz para ser muito mais forte e mais corajoso o dia de amanhã.

Tradução A Soma de Todos os Afetos, via La mente es maravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here