No período de apenas um ano, de abril de 2016 a  março de 2017, 250 estudantes da escola primária até o Ensino Médio tiraram suas vidas. É o maior número registrado desde 1986 – e cinco vezes maior que o registrado um ano antes.

Nos últimos 15 anos, o país asiático conseguiu reduzir a taxa de suicídios geral em um terço – de 34,5 mil casos em 2003 para 21 mil em 2017. Segundo a Organização Mundial da Saúde, a queda ocorreu devido a uma série de medidas preventivas. Entretanto, o mesmo sucesso não foi alcançado com a população de crianças e jovens.

O maior número de suicídios é de adolescentes do Ensino Médio.

“O número de suicídios de estudantes permanece alto e isso é um assunto alarmante que deve ser abordado”, afirmou o ministro da educação do Japão, Noriaki Kitazaki, na divulgação dos novos dados.

As preocupações relatadas pelas crianças e adolescentes que se suicidaram incluem problemas familiares, dúvidas sobre o futuro e bullying. Mas mais da metade das mortes – 140 – tem causas desconhecidas, uma vez que os estudantes não deixaram nenhuma carta.

Uma das preocupações das autoridades japonesas é a influência do ambiente escolar nos suicídios. Segundo um relatório do governo japonês divulgado em 2015, que analisou dados de suicídio de crianças e adolescentes de 1972 a 2013, há picos de suicídio anuais no início do segundo semestre escolar, no começo de setembro.

***

Informações de BBC

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here