O seu interesse na minha resposta para um “tudo bem?” não passou despercebido, juro. Agradeço a preocupação, o carinho, a reciprocidade. É só que por agora eu não tenho muito a dizer.

Sabe quando você precisa tentar enxergar o novo todos os dias? É assim ultimamente. A diferença é que a minha alma anda cansada de procurar entender os motivos dos outros, sendo que nem mesmo os meus ela tem reparado muito bem. Às vezes é tempestade aqui dentro. Não bate sol, não tem brilho. É chuva de manhã e de noite. É ventania a cada esforço para levantar, para seguir em frente.

Aprendi que viver de verdade requer um esforço tremendo da gente. Que para não abraçar as mentiras e ignorar as sinceridades, o nosso coração deve lutar contra o tempo e contra quem finge querer o bem da gente. Que algumas situações exigem mais dos nossos inteiros do que podemos suportar. E se a gente não prestar atenção nas ausências e nos maus-tratos, é bem provável que o nosso emocional adoeça.

Infelizmente, só quem levou muitos golpes da vida e de sentimentos em geral, notou o quanto estou mudando. Agradeço e admiro quem teve a disponibilidade para saber das minhas angústias, das minhas noites mal dormidas, dos meus desencontros.

Ainda é um processo ficar bem. Eu estou melhor do que ontem e é saudável dizer que isso é muito se comparado com um passado recente.

Então, respondendo a sua pergunta – talvez não esteja tudo bem, mas é bom reconhecer que eu não estou mais mal. Eu estou um dia de cada vez, cuidando das minhas camadas, dos meus pensamentos externos e internos. É isso. É tudo o que posso assumir agora.

COMPARTILHAR

LIVRO NOVO




Guilherme Moreira Jr
"Cidadão do mundo com raízes no Rio de Janeiro"

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here