Ninguém gosta de ser prejudicado em qualquer situação, quando nos ferem ou nos machucam, em nós se produz efeitos adicionais ao sofrimento, que podemos arrastar por um longo tempo. Entre estes efeitos pode estar o crescimento como um aspecto positivo ou resgatável ou rancor, raiva e ressentimento no outro extremo.

Devemos aprender a usar a magia do perdão como um mecanismo libertador e entender que não estamos liberando quem nos prejudica, mas nos libertando de um peso. O perdão pode não ter nada a ver com uma pessoa que acreditamos ter nos machucado, podemos simplesmente considerá-lo um ato necessário para continuarmos com nossas vidas.

Se nos recusarmos a perdoar, usando qualquer desculpa para isso, como:

– Eu tento, mas é mais forte que eu.

– Essa pessoa não merece ser perdoada.

– Não houve tempo suficiente para perdoar.

– Quando essa pessoa se desculpar ou fizer algo para compensar o dano, eu a perdoarei.

– Eu não sou capaz de perdoar uma ferida dessa magnitude.

O que estamos fazendo é nos ancorar a uma situação desagradável para nós, não decidindo superá-la, mas damos a ela o poder de nos machucar de novo e de novo e de novo. Então, quem é o mais atingido quando não perdoamos? Somos nós mesmos, que por decisão própria, optamos por carregar uma cruz e preencher espaços de dor que poderiam ser ocupados por sentimentos muito mais benéficos para nós.

Muitas vezes devemos até agradecer à vida que, através de uma ferida, uma decepção, uma traição, nos leva de algum lugar que é inconveniente para nós. Mas se permanecermos agarrados a esse fato, o benefício que poderíamos resgatar, não poderemos vê-lo.

Liberte todo o rancor, sinta-se leve, quase flutuando acima do que te machuca, deixe ir e limpe sua vida de tudo que em algum momento te machucou. O maior perdão que você receberá, a outra pessoa nem sequer tem que saber que você o perdoou e se sua mente implora por vingança ou punição, então sugerimos o mais efetivo: o esquecimento.

Tudo começa com a vontade de curar, tomar a decisão de perdoar e conscientemente trabalhar nesse processo, também podemos fazer algumas terapias para trabalhar em um nível inconsciente, procurando por reprogramações e finalmente o ideal é chegar ao estágio onde, sinceramente, nos esquecemos ou as coisas simplesmente não nos machucam mais.

Parece curioso, mas aprender a perdoar é quase uma lição de vida. Aqueles que não perdoam, a vida parecem atormentá-los com mais e mais situações que aumentam a lista de rancores e ressentimentos, enquanto, por outro lado, aqueles que perdoam mais facilmente e ocupam seus espaços com empatia, compreensão, compaixão e amor, especialmente para eles. a vida ajuda-os a contribuir com mais e mais coisas para serem alimentadas positivamente.

Ame-se tanto, tanto, que nunca nenhuma experiência possa cortar suas asas, mas, ao contrário, elas o impelem a voar mais e mais alto. Você não merece viver sujeito ao que magoa e só você tem o poder em suas mãos para continuar avançando cada vez mais forte e com muito mais desejo de dar o melhor de você. Se vamos gerar mudanças em nós mesmos devido a outras pessoas, que elas sejam inspiradoras e positivas, que elas nunca nos afastem da nossa essência, daquilo que realmente somos.

Por: Sara Espejo – Canto do Tibete – via Revista Pazes

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here