Eu vi o verdadeiro amor em um casamento ao ar livre, decorado com flores silvestres com vista para as montanhas. A noiva, com seu vestido de renda e uma rosa branca nos cabelos, entrou sorrindo com olhar fixo para o noivo. O rapaz, igualmente feliz, a recebia com os olhos úmidos.

Disseram o sim, trocaram as alianças e se beijaram ao som de Singular. Na saída do casal, a noiva cruzou o olhar com uma moça. Ambas se olharam profundamente e com sorrisos que exibiam todos os dentes.

Quando os noivos receberam os cumprimentos, essa mesma moça de sorriso largo, abraçou a noiva longamente e ambas choraram de emoção. O abraço apertado foi compartilhado com o marido.

Percebendo a afetividade da cena, alguns perguntaram:

_Elas são irmãs?
_Não. Ela é a amiga de infância da noiva.

E foi quando eu percebi que havia visto o amor verdadeiro.

O amor certificado pelos anos, (por quê não?!), mas o amor altruísta de quem trilha conosco a longa caminhada da vida, seja no primeiro dia de aula ou no velório do pai querido.

O amor dos noivos, extremamente sincero, se fortalecia na amizade de infância da esposa, que encontrava na velha amiga o apoio fraterno, o silêncio consolador, o toque de “acorda!” …

O sentimento nobre multiplicado nas pequenezas do dia a dia. O amor de duas amigas, no dia do casamento feliz de uma delas.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Cristiane Mendonça
Jornalista, mineira e amante de uma boa prosa! Trabalha há dez anos com produção de conteúdo para mídias digitais e sempre que o coração pede se dedica ao "Crônicas Irônicas", um blog que aborda amor, humor, comportamento, biografia de personagens famosos, além de dicas de livros e filmes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here